Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Doppeldunga

Depois que o Brasil foi eliminado pela Argentina na Copa de 1990 (um a zero nas oitavas de final, gol de Caniggia, passe de Maradona), o Armando Nogueira decretou o fim do talento e da criatividade do futebol brasileiro e o começo do que chamou de Era Dunga. Treinada por Sebastião Lazaroni, a seleção brasileira que se apresentou na Copa da Itália tinha cinco no meio campo, e a principal peça deste quinteto era o Dunga. O próprio biofísico do jogador era a negação do futebol cujo fim o grande cronista lamentava. Dunga foi transformado num símbolo do futebol tosco e sem imaginação que substituíra o talento e do pragmatismo inútil que substituíra a arte, e como tal o culpado pelo fracasso na Itália. A derrota da seleção quatro anos antes, no México, com Zico, Sócrates, Falcão, etc., tinha sido o último suspiro do futebol bonito, "tipicamente brasileiro", que encantava mesmo quando perdia. A Era Dunga chegava para sepultá-lo em definitivo.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2014 | 02h06

Quatro anos mais tarde estávamos todos na Califórnia para a Copa americana. A presença do Dunga na seleção desagradava a quase todos. Durante os quatro anos entre a Copa na Itália e a Copa nos Estados Unidos sua imagem como símbolo de futebol feio se solidificara, o que não impediu que o Parreira o convocasse. Lembro da frase que entreouvi de um torcedor brasileiro um dia depois do jogo das oitavas de final contra os Estados Unidos: "Esse Dunga não acerta um passe!". No dia anterior, eu tinha visto o Dunga não só acertar a maioria dos seus passes e fazer lançamentos longos com a precisão de um Didi ou de um Gerson como dar o passe para Romário fazer o único gol da partida. Entendi então que havia dois Dungas, o Dunga real e o Dunga imaginado. O jogador e o símbolo. O Dunga como ele é e o Dunga como o veem. Dunga e o seu "doppelganger", uma palavra do folclore alemão que significa um duplo, uma cópia, e que pode ser uma aparição, a projeção de uma personalidade dividida ou apenas uma coincidência - alguém tão igual a outro que poderia ser seu gêmeo, mas, misteriosamente, não é. O "doppelganger" é uma figura reincidente na literatura. Talvez a explicação para os dois Dungas, o execrado e o convocado, o que uns veem e outros não, seja literária.

Não tenho a menor ideia do que a CBF pretende com o convite surpreendente ao Dunga. Tratando-se da CBF, boa coisa não deve ser. Mas como dunguista confesso - o Dunga que eu vejo é o capitão vitorioso de 94 e quase vitorioso de 98, se não tivesse dado Zidane contra - gostei.

Tudo o que sabemos sobre:
Luis Fernando Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.