Dono da Bloch pede falência da TV Ômega

Um dia depois de ter decretada a falência da Bloch Editores, o sócio majoritário da empresa, no Rio, Pedro Jacques Kapeller, o Jaquito, entrou com um pedido de falência da TV Ômega (controladora da Rede TV!, ex-TV Manchete) na 5ª Vara Cível de Barueri, na Grande São Paulo, onde fica a sede da nova emissora. O motivo é o não-pagamento da segunda parcela do contrato de transferência da concessão do canal de televisão. Segundo o advogado de Kapeller, Alfredo Bumachar, a parcela de R$ 1.115.660 venceu em maio. O diretor jurídico da TV Ômega, Celso Gióia, negou ter recebido comunicação oficial do pedido de falência e confirmou não ter pago a parcela de Kapeller, porque o empresário contestou o contrato na Justiça, alegando ilegalidades nas cláusulas. Kapeller também detinha 53% das ações da TV Manchete, vendida à TV Ômega por US 7,5 milhões (R$ 13,4 milhões). Gióia ressaltou que apenas a parcela de Jaquito não foi paga; os outros sócios receberam normalmente. Tanto a TV Manchete quanto a Bloch Editores têm mais cinco sócios-cotistas: Carlos Sigelmann, Ivo Sigelmann, David Elkind Schwartz, o espólio de Adolpho Bloch (inventariado por Pedro Jacques Kapeller) e o espólio de Oscar Bloch Sigelmann (inventariado por Paulo Pelicano). Segundo Bumachar, a falência da Bloch Editores e o pedido de falência da TV Ômega não são processos correlatos, mas Kapeller não poderá mais gerir a Bloch Editores conforme havia solicitado no pedido de falência desta empresa. Análise - Ontem, o advogado trabalhista Arnaldo Blaichman, síndico da massa falida da Bloch Editores, pediu uma análise da situação da empresa. Ele quer dados oficiais sobre dívida trabalhista e com outros credores, despesas fixas (matéria-prima, impressão, etc.), circulação e faturamento publicitário. "Tenho todo interesse em manter os empregos da Bloch Editores, mas é preciso saber se a empresa é viável", disse. Pela manhã, Blaichman reuniu-se com o Sindicato dos Jornalistas. Segundo o vice-presidente do órgão, Alberto Jacob Filho, os dados mais recentes da Bloch Editores são relativos à contribuição sindical de 1997 e indicam que a empresa tinha, na época, 70 jornalistas contratados. "Temos uma ação tramitando pedindo o pagamento dos salários atrasados de todos os funcionários e outra, já ganha, em fase de cálculo, pedindo o pagamento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) de 40 funcionários associados ao sindicato", disse Jacob Filho. Bumachar garantiu ter um projeto para retomada da atividade da empresa que normaliza a circulação das revistas Amiga, Manchete, Desfile, Ele & Ela e Pais & Filhos e traz de volta a Manchete Rural, a Universal Geográfica e a Mulher de Hoje, que foram suspensas. Ele garantiu que Jaquito e sua filha, Jacqueline Kapeller, que é vice-presidente da Bloch Editores e da TV Manchete, se apresentarão na 5ª Vara de Falências e Concordatas até segunda-feira, 7 de agosto, conforme foi determinado pelo juiz. Jacqueline mora em Paris, mas, segundo Bumachar, deve voltar ou pedir autorização para permanecer fora do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.