Reuters
Reuters

Don Hewitt, criador de '60 Minutos', morre aos 86 anos

Jornalista é considerado um líder inovador cujo modelo de apresentação é copiado em todo mundo

Efe

19 de agosto de 2009 | 12h57

O jornalista americano Don Hewitt, "cérebro" do famoso programa "60 Minutes", morreu nesta quarta-feira, 19, aos 86 anos, depois de lutar contra um câncer de pâncreas, informou a rede de notícias CBS. Hewitt, que teve a doença diagnosticado em março, faleceu em sua casa em Bridgehampton, Nova York, segundo o site do canal.

 

Hewitt já era um destacado jornalista da CBS quando criou, em 1968, o "60 Minutes", atualmente o programa mais longo no horário de maior audiência da televisão americana. Sua carreira jornalística teve mais de seis décadas, quase todas na CBS.

 

Foi Hewitt, por exemplo, quem dirigiu talentos da televisão americana como Edward R. Murrow e Walter Cronkite e teve papel fundamental na cobertura de grandes eventos nacionais e mundiais da década de 40 à de 60, como o primeiro debate presidencial televisivo, em 1960.

 

Nesse ano, Hewitt produziu e dirigiu a cobertura das três cadeias televisivas do debate entre Richard Nixon e John Kennedy, o que, segundo observadores, transferiu imediatamente à tela todo o peso político da imprensa escrita nos EUA. Alguns críticos da televisão afirmam inclusive que, pelo imenso poder visual do meio, Kennedy ganhou o debate "porque tinha uma aparência melhor".

 

Hewitt foi responsável por diversas inovações na televisão, já que, em 1963, foi o primeiro a produzir noticiários de meia hora e a recorrer ao posicionamento de câmeras em pontos-chave durante convenções políticas, entre outros métodos.

 

Mas foi, sem dúvida, o programa "60 Minutes" que o coroou no jornalismo televisivo, já que, segundo comentou em 1995 o falecido jornalista Roone Arledge, '60 Minutes' foi seu verdadeiro monumento. Para ele, Hewitt foi um "líder inovador" e seu formato "foi copiado no mundo todo".

 

A ideia e o eventual sucesso de "60 Minutes", segundo o próprio Hewitt, era produzir o programa em uma espécie de "revista eletrônica", ao estilo da revista Life, mas em três segmentos. O resultado final seria "um pacote de uma hora de realidade", que pudesse concorrer, inclusive, com as grandes produções de Hollywood.

 

Ganhador de muitos prêmios por sua carreira jornalística, Hewitt se aposentou como produtor executivo da divisão de notícias da CBS em junho 2004 e, posteriormente, participou de vários projetos televisivos, muitos deles fora da cadeia que o acolheu desde 1948.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.