Domingo conta que não quis se despedir do amigo Pavarotti

O tenor espanhol Plácido Domingorevelou na quinta-feira que nunca deu um último adeus a LucianoPavarotti, pois acreditava que seu "rival amigável" iriasuperar o câncer que acabou lhe matando na quinta-feira. Domingo disse em entrevista coletiva que tampouco poderáestar no enterro de Pavarotti, no sábado na Itália, porque, naqualidade de diretor-geral da Ópera de Los Angeles, tem ensaiospara uma apresentação do "Réquiem", de Verdi. Pavarotti, considerado por muitos o maior tenor da suageração, morreu na manhã de quinta-feira, aos 71 anos, em suacasa, em Módena, vítima de um câncer no pâncreas. Domingo, 66 anos, disse ter conversado com ele há cerca deoito dias, depois que o italiano teve alta num hospital ondeestivera internado com pneumonia. Segundo o espanhol, amboscombinaram de se encontrar quando Domingo fosse à Europa, nomês que vem. "Não houve um adeus", disse. Mesmo na quarta-feira, quando Domingo era bombardeado comtelefonemas sobre o estado de saúde do amigo, sua reação era deque "enquanto há vida há esperança". Ele achava que Pavarottisuperaria a "crise". Chegou a ser informado por uma assistente de Pavarotti quea situação era estável, mas horas depois, num intervalo dosensaios, recebeu outro telefonema, anunciando que o tenor haviamorrido 15 minutos antes. Pavarotti, Domingo e o também espanhol José Carreras setornaram grandes estrelas mundiais na década de 1990, quandofizeram uma turnê e gravaram o fenômeno musical "Os TrêsTenores", que deu enorme difusão popular à ópera. Domingo lembrou que ele e Pavarotti chegaram ao estrelatona mesma época e que, ao longo de 40 anos, estabeleceram umasolidariedade que sempre superou qualquer tentativa doscríticos de colocar um deles num pedestal superior ao do outro.Se houve alguma competição, refletiu, ambos se beneficiaram. "Acho que a carreira de Luciano foi maior porque eu estavaali, como rival amigável. E acho que minha carreira foi maiorporque ele estava ali também, como o rival amigável." Domingo disse que ainda não falou com Carreras depois damorte de Pavarotti, mas afirmou que os dois espanhóis poderãoeventualmente cantar em algum tributo ao italiano. (Por Dean Goodman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.