Dois irmãos deixam a 23 de Maio mais colorida

O tom "cinza-sujeira" que cobria o muro da ligação dos corredores da Avenida 23 de Maio com o Minhocão, ao lado dos arcos de Jânio Quadros, aos poucos vem desaparecendo. No lugar dele, azul céu, vermelho, amarelo, magenta e toda uma série de cores em litros e litros de tintas em lata e, principalmente, spray.O mural de aproximadamente 650 metros, um dos maiores da cidade, está sendo desenhado desde sexta-feira passada, em uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo e a agência AG Produções. Os artistas (que apesar de trabalharem com grafite não pertencem ao movimento hip-hop) já transformaram outros 10 muros da cidade em painéis com obras de arte."Trabalhamos com uma diversidade de temas, como a natureza e a paz. Agora, neste mural, pretendemos retratar a riqueza da cultura brasileira", diz Gustavo, 28 anos, que, ao lado do irmão Otávio, é um dos responsáveis pelo painel. Planejado há seis meses, o mural mostra o folclore brasileiro por meio do grafite. "Serão várias figuras representativas, como o bumba-meu-boi, instrumentos musicais, máscaras e danças", adianta Gustavo.Com rostos, corpos e, para combinar, roupas idênticos, Gustavo e Otávio relutam para dizer os verdadeiros nomes. Só querem ser chamados como Os Gêmeos - suas declarações e pinceladas coincidem, assim como seus traços físicos. Moradores do bairro do Cambuci, os irmãos trabalham com grafite desde 87. Já mostraram seu trabalho em exposições, ruas e galerias da Alemanha, França e Estados Unidos.Em São Paulo, pendurados em uma teia de andaimes, Os Gêmeos dividem o trabalho com outros jovens artistas do grafite, todos com idades entre 20 e 28 anos. Quem transitar pelo acesso, poderá ver obras também de Vitche, Hebert, Nunk e Nina, a única mulher no grupo. Lá, acima de um dos tráfegos mais intensos da cidade, o grupo fica das 8h da manhã às 8h da noite."Só saímos para um almoço rápido, por volta das 13h. É barulhento sim, mas, acima de tudo, extremamente prazeroso. Principalmente por conta da ansiedade do resultado final", diz Gustavo. Os Gêmeos, os demais artistas e quem passar pelo local poderão conferir o resultado já nesta sexta-feira. "O que antes era um muro sem graça e, muitas vezes, sujo e pichado, acaba se revelando uma obra de arte. O bom é que, nesses quase 20 anos de experiência, percebemos que a população gosta e respeita nossos murais", diz Gustavo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.