Dois álbuns clássicos do U2 são relançados

Em 1996, enquanto gravava o álbum "Pop", Bono confessou ao jornalista Bert Van de Kamp: "É incrível. Todas as vezes que temos de gravar um novo disco, quase começamos tudo de novo. Isso começou em Unforgettable Fire e nunca mais parou. Para nos mantermos sempre interessados no nosso trabalho, entramos no estúdio sem saber exatamente o que virá pela frente."

AE, Agencia Estado

12 Fevereiro 2010 | 11h06

O relançamento de "Unforgettable Fire" e "The Joshua Tree" em versão dupla e remasterizada, com comentários, versões ao vivo, lados B e todas as letras, é o recorte da fase em que o U2 se transformou na maior banda do mundo.

Em 1984, o grupo já gozava de prestígio internacional. Seu álbum "War", com os hinos rebeldes "New Year?s Day" e "Sunday Bloody Sunday", os havia levado a turnês pela Europa e Estados Unidos. Mesmo assim, a banda formada por Bono (vocal), The Edge (guitarra), Adam Clayton (baixo) e Larry Mullen Jr. (bateria) decidiu deixar o passado para trás e recomeçar com produtores e temática diferente no próximo lançamento. As músicas de "Unforgettable Fire", lançado em 1º de outubro de 1984, teriam de fazer o ouvinte visualizar paisagens e texturas imaginárias. Para isso foram chamados Brian Eno e Daniel Lanois, produtores acostumados ao experimentalismo que o U2 buscava.

O álbum pegou de surpresa os fãs e a crítica especializada - mesclava canções etéreas e melancólicas como "A Sort of Homecoming" e "MLK" com hits instantâneos como "Bad" e "Pride" (In the Name of Love), esta última uma homenagem ao reverendo Martin Luther King. "Unforgettable Fire" seria o primeiro passo do grupo para a dominação mundial que viria com o próximo álbum, "The Joshua Tree" (lançado em 9 de março de 1987).

Repetindo os mesmos produtores, "The Joshua Tree" levou o grupo ao topo, junto a bandas como Beatles, Rolling Stones e Led Zeppelin. Vinte milhões de cópias, capa da revista Time e o Grammy de melhor álbum do ano foram alguns das conquistas do disco. As informações são do Jornal da Tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.