Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Doenças do nosso tempo?

Por que nos EUA eles se matam tanto, enquanto aqui roubamos tanto de nós mesmos?

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 02h00

Vivi o absurdo da violência americana em Cambridge, Massachusetts, em 22 de novembro de 1963, quando John F. Kennedy, presidente dos Estados Unidos, foi assassinado.

Fiquei chocado com a brutalidade do evento. Na rua, vi a etiqueta das distâncias de uma Cambridge individualista ser substituída por abraços entre desconhecidos. E uma Harvard cujo propósito seria tudo entender, sem nenhuma teoria plausível para esse assassinato - exceto aquelas suposições que eu bem conhecia como a conspiração ou a bruxaria.

Fui imediatamente engolfado por uma onda de consternação e fiquei surpreso com a minha solidária comoção num país desconhecido, cujo sistema econômico eu tanto criticava.

Hoje, mais velho e menos sábio, entendo que fui sufocado pelo coletivo. O que vivi foi o que se vive quando há uma guerra e os papéis sociais rotineiros são englobados pelo de patriota. O que sucede quando aviões de passageiros pilotados por terroristas estrangeiros derrubam torres? Surge um inimigo comum e as segmentações internas se aplacam.

Quando, porém, um membro de nossa própria sociedade assassina colegas e professores em escolas, liquida homossexuais numa boate que ele mesmo frequentava, atira mortalmente dentro de igrejas e em shows, assassinando fria e solitariamente multidões, o caso é muito mais soturno.

Se vivo estivesse, Émile Durkheim o chamaria de anômico, algo pior do que uma doença porque indica menos que a falência, a contradição entre regras e, mais além, a desconfiança da nossa fé não em Deus, é claro, mas na nossa autoatribuída racionalidade. Na certeza compartilhada de que vivemos um mundo guiado por ciência e tecnologia no qual toda ação humana teria interesse, motivo e desejo.

Uma visão da sociedade como sendo feita somente de indivíduos promove suas cegueiras. Uma delas é poder comprar armas mais facilmente do que um carro nos Estados Unidos. Donde a nossa perplexidade diante da força dos atos implosivos como o incesto, a autoflagelação, a traição e o ódio não contra nossos inimigos ou exploradores, o que seria normal, mas contra nós mesmos. 

*

Quando vivi a onda de assassinatos na América dos anos 60 (dos Kennedys e de Martin Luther King), eu, mesmo não sendo americano, sofri a coerção da coletividade. Fui pressionado de fora para dentro, tal como ocorre com a “moda” que nos faz cortar o cabelo desta ou daquela maneira que meses antes julgávamos absurdo.

*

Estava pensando em tais assuntos, quando topei com o ensaio de Elif Batuman publicado na revista New Yorker no dia 27 do mês passado. Nela, a conhecida ensaísta tenta compreender os motivos dos assassinatos em massa que ocorrem com força epidêmica nos Estados Unidos. A epidemia, vale lembrar, não acontece por decisão pessoal, mas por contágio. Mas, eis o ponto, como explicar esses assassinatos à bala nos quais se matam compatriotas? Olhando a vida desses homicidas, não encontramos nada de relevo ou freudianamente traumático. Há neles, entretanto, um enigma que desafia nossas boas e velhas estruturas explanatórias - exceto a de assumir a nossa sempre renovada ignorância ou cair na cura pela repressão o que é uma outra patologia.

Na sua busca, Batuman me reconduziu a um feliz encontro com o escritor americano James Baldwin. E, na sua letra, há a tese por mim compartilhada de como o desabrido individualismo americano conduz a um ideal de “pureza” (uma alergia ao “outro”, sobretudo aos negros) que nutre o patológico. Tal como o politicamente correto pode conduzir ao nazismo, o populismo desenfreado ao despotismo e o comunismo oficializado à nomenclatura - a uma aristocratização burocrática. 

No individualismo, o reprimido é o coletivo que volta com força nos assassinatos. Já no Brasil, onde o todo e as relações sempre predominam sobre as partes, temos um coleguismo corporativo, partidário e abusivo, o qual alimenta a corrupção.

Se os ianques sofrem de um patológico individualismo; se lá há, como diz Baldwin, um fracasso “das conexões cruciais mais elementares”, aqui há um excesso de conexões, de dívidas e culpabilidades que nos colam uns aos outros até mesmo contra a lei.

Foi quando me perguntei: por que eles lá se matam tanto; enquanto nós aqui roubamos tanto de nós mesmos?

Mas quando ia desenvolver esse ponto, eis que acabou o espaço da croniqueta...

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.