PATRICIA VILLALBA|ESTADAO
PATRICIA VILLALBA|ESTADAO

Documentos inéditos de Frida Khalo ganham exposição no México

Fotos, telegramas e cartas reúnem a memória da pintora mexicana e Diego Rivera

EFE, O Estado de S. Paulo

06 de maio de 2016 | 11h10

Uma carta para a pintora mexicana e poeta Frida Kahlo (1907-1954) assinado com um beijo, que permanece indelevelmente no papel e destinada a Diego Rivera, foi o motivo que deu origem a uma exposição que abre nesta sexta, 6, na Cidade do México.

A exposição Correspondências... Arquivos e Fundos do Cenidiap que integra material documental pouco conhecido e inédito, é realizada até dia 17 de julho, no Museu Casa Estudio Diego Rivera e Frida Kahlo, no sul da capital. "Encontra uma carta como esta foi um ótimo achado", disse à Efe Patricia Brambila, vice-diretora do Centro de Documentação Nacional Pesquisa, Documentação e Informação de Artes Plásticas (Cenidiap) do Instituto Nacional de Belas Artes (INBA). "O que nos surpreendeu foi usando batom Frida como uma assinatura, como se ele tivesse desde ontem ", disse Brambila, que explicou que a carta levou os investigadores a olhar mais cartas, documentos e fotografias que moldaram a exposição.

São 177 fac-símiles, 35 originais, 57 fotografias de dois curtas-metragens e áudio de uma entrevista de Rivera (1886-1957) feita pelo jornalista cubano Lolo de la Torriente. Brambila descreve como "muito importante que os documentos chegam a esta casa após uma busca exaustiva." 

Enquanto isso, o curador Eduardo Espinosa explicou que sete as pessoas eram responsáveis ​​por vários meses de seleção para a mostra e que pesquisaram entre "um universo de documentos". "Nós tentamos ver o que nos foi dito nesses documentos", que estavam disponíveis para pesquisadores, estudantes e professores. "Um dado ou informação faz sentido quando colocados em contexto com outros documentos, e assim chegamos ao criação de quatro núcleos temáticos, que não são os únicos: Poder e política; formação e trabalho; amor e amizade; doença e morte", acrescentou.

Ele explicou que esses parágrafos foram considerados para dar melhor abordagem não só como artistas, mas como seres humanos. Por exemplo, em Poder e Política será visto um telegrama de Diego Rivera ao presidente Lazaro Cardenas (1895-1970), em protestar contra a destruição de um mural de Juan O'Gorman na antigo aeroporto da Cidade do México. Algumas partes de Amor e Amizade trazem uma fotografia de Rivera, telegramas e mensagens que o pintor passou com as atrizes Maria Felix e Dolores del Rio e no casamento dos artistas Gabriel Fernández Ledesma e Isabel Villasenor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.