Documentário persegue a "verdadeira" Winona Ryder

A vida da atriz Winona Ryder não é muito diferente da história de milhares de crianças nascidas na época da contracultura americana, isto é, há mais ou menos 30 anos, quando Timothy Leary fazia a apologia do LSD, os hippies protestavam contra a Guerra do Vietnã e as comunidades alternativas começavam a surgir nas zonas rurais. Winona Horowitz, nascida em Winona, Minnesota, filha de hippies, afilhada de Leary e leitora de Salinger, começou cedo sua carreira de contestadora. E pagou caro por isso. Há quase três anos, em dezembro de 2001, foi presa por roubar roupas em Beverly Hills e falsificar receitas médicas para comprar drogas. É esse episódio o ponto de partida do documentário A Verdadeira Winona Ryder, que o GNT exibe hoje, às 19 h.Realizado pelo Channel 4 inglês, o documentário não segue o formato tradicional das produções do gênero. A dupla produtora - Russell Leven e Andrew Abbott - quer saber o que motiva uma atriz que ganha US$ 7 milhões por filme entrar numa loja da Saks e roubar US$ 5 mil em mercadorias. Cleptomania? Depressão de uma insone em busca de emoções fortes? Efeito das drogas? Alta ansiedade? Contestação pós-hippie contra a sociedade de consumo? Um pouco de tudo isso e algo mais: uma necessidade patológica de atrair a atenção - inclusive da mídia, durante uma safra de filmes fracos. O público adora perdoar jovens que erram.Winona não precisa roubar para pagar suas drogas ou conseguir boas roupas. Afinal, ela ajudou a promover a grife Armani nos Estados Unidos. Uma pista possível: confusão mental. Os produtores do documentário concluem ser esse um comportamento anti-social de alguém que muito cedo teve contato com drogas e pais pouco convencionais. Pode ser. Winona não é entrevistada no documentário (uma falha imperdoável) e o espectador fica apenas com os depoimentos de médicos e especialistas. Enfim, falta muito para conhecer a "verdadeira" Winona do título, mas já é um começo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.