Documentário inédito expõe a crise colombiana

Com base na intensificação dos ataques das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) naquele país, o canal pago GNT apresenta hoje, às 21h, o documentário inédito Ingrid Betancourt: Dom Quixote da Colômbia, sobre a ex-senadora e candidata à presidência seqüestrada no dia 23 de fevereiro.O material - canadense e com uma hora de duração - mostra a complexa situação da Colômbia por meio da saga da ex-senadora. Ingrid, de 40 anos, foi seqüestrada junto com sua assessora, Gloria Rojas, quando viajava de Caquetá (a 562 km a sudoeste de Bogotá) para San Vicente de Caguán, onde teria uma entrevista com o presidente Andrés Pastrana.O seqüestro da candidata, forte opositora das Farc, ocorreu em um momento crítico, três dias após o fim dos diálogos de paz com a guerrilha, quando Pastrana retomava a antiga zona desmilitarizada de 42 mil km2 ao sul do país, antes ocupada pelas Farc. Atualmente, a Colômbia se encontra em guerra em duas frentes: a militar e a política.As Farc, ao mesmo tempo em que dinamitam pontes, torres de energia e de telecomunicações, intimidam eleitores do interior a votar em candidatos simpatizantes à causa da guerrilha. Seu objetivo é que o Congresso aprove a chamada Lei de Troca, que forçaria o governo a soltar guerrilheiros presos em troca da libertação de militares e civis seqüestrados - entre eles cinco deputados e a ex-senadora Ingrid Betancourt. Desde o ano passado, já são 800 as pessoas capturadas pelas Farc no país.Ingrid é candidata à presidência pelo Partido Oxigênio Verde, mas ainda não supera 2% das intenções de voto dos colombianos, que terão eleições presidenciais em 26 de maio. Poucos dias depois de terem seqüestrado a ex-senadora, as Farc enviaram um comunicado ao governo condicionando sua libertação à soltura de guerrilheiros presos, sob ameaça de mantê-la refém por um ano. Pastrana rechaçou a troca e acusou as Farc de "seqüestrar a democracia".O documentário Ingrid Betancourt: Dom Quixote da Colômbia faz uma análise da conjuntura atual do país sul-americano, desvendando redes de intriga, perseguição e chantagem que estão por trás de um complicado processo que se desenrola há anos. Faz, ainda, uma viagem ao coração da Colômbia e expõe as idéias, a luta, o passado, o presente e o futuro, os medos e o forte desejo de uma mulher por um país melhor. O programa terá reapresentações na madrugada de hoje para amanhã, às 3h, e na própria quinta, às 10h e às 16h.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.