Documentário destaca cotidiano de Saramago e Pilar

Novas histórias de amor aparecem semanalmente nos cinemas do mundo todo. Hollywood sozinha já as produz em grande escala. Dessa leva de romances, muitos são artificiais; outros tantos, improváveis, e há outros montes que passam por nossos olhos e não nos fazem sequer suspirar. Mas este certamente fará. Fraternal

AE, Agência Estado

05 de novembro de 2010 | 10h02

à primeira vista, mas incondicional no âmago, o amor uniu duas pessoas de países, idades e pensamento distintos - o escritor português ganhador do Nobel de Literatura José Saramago (morto em junho, aos 87anos)e a jornalista espanhola Pilar Del Río, 28 anos mais nova. São eles o tema de "José & Pilar", documentário que estreia hoje nos cinemas.

Custou ao diretor Miguel Gonçalves Mendes muita insistência para convencer Saramago a deixar-se filmar pelo cineasta. Ao escritor, pareceu invasiva a proposta de mostrar o cotidiano do casal em sua casa na ilha de Lanzarote, na Espanha, onde passou a viver desde que a Igreja Portuguesa teceu ferrenhas críticas ao seu "Evangelho Segundo Jesus Cristo".

Mas as desavenças com a pátria apenas margeiam o filme, assim como as opiniões do português sobre religião, política, preconceito e família. O espectador é convidado a acompanhar a rotina surpreendentemente frenética de José e Pilar a compromissos, eventos literários e honrarias ao redor do mundo, no período de 2006 a 2008. Os convites chegam às dúzias de todo o tipo - de instituições, governos e até de líderes religiosos, como o Dalai Lama, mesmo sendo Saramago conhecidamente ateu e comunista.

Um mérito valioso do filme é justamente o registro de José e Pilar em afazeres domésticos ou nos pequenos momentos de lazer a dois, como assistindo a um filme de desenho animado da Disney, de mãos dadas, encostados no sofá. "Eu tenho ideias para os livros, e ela para a vida", resume brilhantemente Saramago. O encontro com o diretor brasileiro Fernando Meirelles também está no filme, que mostra a reação de Saramago ao assistir à adaptação de seu "Ensaio Sobre a Cegueira". As filmagens do documentário foram suspensas em 2007, quando Saramago, debilitado pelas viagens, passou meses internado. À época, o autor trabalhava no penúltimo livro, "A Viagem do Elefante", e terminá-lo tornou-se uma questão de honra para Saramago. Recuperado, pôs-se a escrever. Aos poucos, o longa passa a tratar da morte, da efemeridade da vida.

Para Saramago, que começou a escrever tarde, depois dos 60 anos, a consagração acadêmica o compensou, mas o tempo, não. A morte, "diferença entre ter estado e já não estar", como ele mesmo diz, o aflige pela saudade de deixar Pilar. Um dos momentos mais emocionantes é o casamento, em 2007, no vilarejo onde mora a mãe de Pilar. "Se tivesse morrido sem conhecê-la, teria morrido mais velho do que serei quando chegar a minha hora", diz ele. A personalidade introspectiva, melancólica até é quebrada pela alegria cativante de Pilar, que ocupa Saramago de vida até seus últimos dias. As informações são do Jornal da Tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.