Do Suplemento Literário

O PENSAMENTO CRÍTICO DE UM PIONEIRO

José Aderaldo Castello, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2011 | 00h00

Para uma abordagem sumaria da obra de Gonçalves de Magalhães, no sentido de comprovar a interpretação e a valorização que lhe possamos atribuir, vejamo-la por ordem cronologica de publicação e ao mesmo tempo dentro de um critério de agrupamento genético, buscando, sobretudo, o pensamento crítico do autor, sua tematica principal e preferida e a importancia historico-literaria de suas realizações. Cultivou a poesia lírica, épica, dramatica (teatro em verso), a ficção, o ensaio critico e historico, além dos seus estudos ou ensaios filosoficos. Como poeta lirico, deixou-nos a parte mais extensa de suas obras, compreendendo, de acordo com a edição das Obras completas, os seguintes volumes: Poesias avulsas, Suspiros poéticos e saudades, Canticos funebres e Urania, sendo que seu livro de estréia - Poesias - datado de 1832, se acha em grande parte reproduzido nas Poesias avulsas, uma vez que foi submetido á revisão e seleção do autor. Como épico, publicou A confederação dos tamoios; como teatrologo, além de traduções, deixou duas peças originais conhecidas - Antonio José ou o poeta e a inquisição e Olgiato; reuniu nos Opuseulos historicos e literarios varias paginas em prosa, entre as quais destacamos o ensaio "Discurso sobre a historia da literatura do Brasil"; escreveu uma pequena novela - Amanda - e deixou publicados, finalmente, três volumes de filosofia - Comentarios o pensamentos, Fatos do espirito humano e A alma e o cerebro (Estudos de psicologia e fisiologia), aspecto de sua obra que aqui não nos interessa diretamente.

Considerando, portanto, como obra de estréia de Gonçalves Magalhães o volume Poesias, de 1832, no prefacio que o acompanha encontramos o ponto de partida de suas idéias sobre poesia e dos objetivos de sua obra. Dando como menosprezada a atividade poética, procura enobrecê-la, e reconhecer-lhe como finalidade a exaltação patriotica e a elevação das virtudes humanas, apontando-a como uma parte da filosofia moral. No momento critico que então vivia a nacionalidade, dominada por lutas, odios e ambições, nada mais oportuno e necessario, a todo bom patriota, do que dirigi seu canto contra os vicios e o crime, reconhecer a bondade do coração humano e estimular nos seus patricios a ambição da gloria, para ilustração da "cara Patria". A tematica que desenvolveria nas composições das Poesias, reproduzidas parcialmente ao lado de outras, escritas desde a mocidade, no volume das Obras completas - Poesias avulsas, enquadra-se rigorosamente nestes seus propositos.

(...)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.