Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Do norte e do sul

As correntes migratórias, segundo a teoria de Bering, tiveram 15 mil anos para se espalhar até o cóccix da América do Sul, seguindo o seu DNA

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

25 Novembro 2018 | 02h00

Não se sabe quem foram os primeiros hominídeos que passaram da Ásia para a América pelo Estreito de Bering, dando início à grande migração que acabaria com o povoamento de todo o continente, do Alasca à Patagônia. Era um hominídeo só? Um caçador solitário atrás de uma presa? Uma família aventureira? Uma tribo?

Há controvérsias. Especula-se que a passagem tenha começado há uns 15 mil anos, mas outros dados sobre a migração vêm sendo debatidos há anos. Estudos com DNA estabeleceram a ligação de todas as populações primitivas do continente, do extremo norte ao extremo sul, mas os detalhes da passagem e dos obstáculos enfrentados pelos migrantes ainda são discutidos. O estreito hoje está embaixo d’água, a passagem de Bering não dá mais passagem, pelo menos a pé. E não dá pistas sobre o tipo de terreno e vegetação que possibilitariam a migração, ou não, na época.

Os descendentes daqueles pioneiros dividiram-se em etnias diferentes, um índio das planícies da América do Norte tem pouco em comum com um índio do sul da Argentina – fora o frio e a classificação equivocada como “índios”, culpa do engano do Colombo – e um dos argumentos contra a teoria da origem de todas as etnias na mesma migração é que as línguas faladas por cada uma se diversificaram tanto. O que as unia, o que estava no DNA de todas, fosse sua origem a passagem inaugural pelo Estreito de Bering ou outra, era a necessidade de emigrar, de procurar a sobrevivência ou a felicidade em outro lugar.

*

Como essa caravana que saiu de Honduras e chegou à fronteira do México com os Estados Unidos: 10 mil pessoas, é o que dizem, aparentemente dispostas a entrar nos Estados Unidos a tapa. As correntes migratórias, segundo a teoria de Bering, tiveram 15 mil anos para se espalhar até o cóccix da América do Sul, seguindo o seu DNA. Pode-se traçar o avanço de cada corrente através de milênios, em mapas que comprovariam o acerto da teoria. O que acontecerá com essa caravana que vem do sul e também busca a sobrevivência e a felicidade não dá para saber. Os obstáculos serão maiores do que encontraram no Estreito de Bering, há 15 mil anos. O Trump já mandou as tropas.

Mais conteúdo sobre:
imigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.