MENAHEM KAHANA / AFP
MENAHEM KAHANA / AFP

DNA revela parte do segredo dos Manuscritos do Mar Morto

'Finalmente, seremos capazes de encontrar a resposta para a questão essencial da identidade dos autores desses manuscritos', diz pesquisadora israelense

Redação, AFP

02 de junho de 2020 | 20h34

Alguns dos Manuscritos do Mar Morto, uma coleção de textos milenares, incluindo o texto bíblico mais antigo em hebraico, não vêm do deserto onde foram encontrados — foi o que concluiu um estudo tornado público nesta terça-feira, 2, sobre o DNA dos fragmentos desses pergaminhos.

Os 900 manuscritos encontrados entre 1947 e 1956 nas cavernas de Qumran, aos pés do Mar Morto, na atual Cisjordânia ocupada, são considerados uma das descobertas arqueológicas mais importantes de todos os tempos, porque incluem textos religiosos em hebraico, em aramaico e grego, bem como a versão mais antiga conhecida do Antigo Testamento.

Os documentos mais antigos datam do século 3 a.C., e os mais recentes foram escritos no ano 70, na época da destruição do Segundo Templo judeu pelas legiões romanas.

Muitos especialistas acreditam que os Manuscritos do Mar Morto foram escritos pelos essênios, uma seita judia dissidente que se retirara para as cavernas de Qumran, no deserto da Judeia. Outros acreditam, no entanto, que uma parte foi escondida pelos judeus que queriam protegê-los dos romanos.

Para tentar obter respostas e lançar luz científica sobre um debate teológico, os pesquisadores israelenses estudaram o DNA de fragmentos de manuscritos escritos em peles de animais.

"Descobrimos, analisando fragmentos de pergaminhos, que certos textos foram escritos nas peles de vacas e de ovelhas quando, antes, estimávamos que todos haviam sido escritos em peles de cabras", explicou à AFP Pnina Shor, pesquisadora da Autoridade de Antiguidades de Israel, que lidera o projeto para estudar esses manuscritos.

"Isso prova que esses manuscritos não vêm do deserto onde foram encontrados", afirma a pesquisadora israelense.

Mas de onde exatamente eles vêm e por quem foram escritos? Essas perguntas permanecem sem resposta, mas o estudo do DNA, realizado por sete anos em 13 textos por uma equipe também da Universidade de Tel Aviv, abre caminho para novas descobertas, segundo Shor.

"Finalmente, seremos capazes de encontrar a resposta para a questão essencial da identidade dos autores desses manuscritos, e esses primeiros resultados terão um impacto no estudo da vida dos judeus na época do Segundo Templo", acrescenta.

Quebra-cabeça bíblico

Essas pesquisas arqueológicas continuam sendo um assunto delicado em Israel e nos Territórios palestinos, onde os resultados são, às vezes, usados por associações, ou por partidos políticos, para basear suas reivindicações sobre lugares de memória reivindicados por palestinos e israelenses, como o Monte do Templo, o lugar mais sagrado do judaísmo, e denominado Esplanada das Mesquitas pelos muçulmanos.

Entre as descobertas da equipe de Shor, estão trechos do livro bíblico de Jeremias (profeta que viveu no século 6 a.C.), vários fragmentos dos quais há muito tempo eram considerados pelos pesquisadores como sendo do mesmo manuscrito.

"Vemos diferenças tanto no conteúdo quanto no estilo de caligrafia, mas também na pele animal usada para o pergaminho, o que prova que elas são de origens diferentes", disse Beatriz Riestra, uma das pesquisadoras que participaram deste estudo.

No total, cerca de 25 mil fragmentos de pergaminhos foram descobertos ao longo dos anos no deserto da Judeia. A pesquisa sobre esses textos é incessante há 60 anos.

"Ao caracterizar as relações genéticas entre diferentes fragmentos dos pergaminhos, os pesquisadores conseguiram discernir importantes relações históricas", disse o professor Oded Rechavi, da Universidade de Tel Aviv.

"É como montar um quebra-cabeça. Existem muitos fragmentos de pergaminhos que não sabemos como conectar e, se juntarmos peças erradas, isso pode mudar consideravelmente a interpretação", especifica.

"A pesquisa está apenas no início, mas já mostra resultados convincentes", afirma Shor, que lembra que seu papel também é preservar os manuscritos e que este estudo não pode ser realizado em todos os fragmentos existentes, por medo de danificá-los.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.