DJ tudo mistura ritmos

Alfredo Bello virou DJ Tudo em 1999. Na pele desse personagem, "um viajante curioso que cria sons dançantes mixando e recriando músicas tradicionais", ele já rodou o Brasil e o mundo. Suas novas conquistas reverberam no ótimo álbum Nos Quintais do Mundo (Mundo Melhor), seu segundo trabalho do gênero, um aprimoramento do anterior, Garrafada. Depois de lançar o CD em São Paulo, ele leva esse manancial sonoro para o Baile Tropical, hoje, no Boteco São Matheus, em Belém. Vai ser um DJ set "com coisas do disco e do selo Mundo Melhor".

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2010 | 00h00

Músico, compositor e pesquisador, Bello credita seus experimentos à parceria de "gente de todo lugar". Afinal, o CD tem arranjos e composições próprias com base em diferentes manifestações culturais (e participação de quem mantém essa tradição em movimento), como o maracatu sergipano e pernambucano, as batidas do baianá e da embolada de Alagoas, o maxixe carioca. Com colaborações de gente como o guiano Mad Professor, ele funde congado e drum"n"bass, reggae e ijexá, perrê e dub (aproximando ritmo de uma tribo indígena da música jamaicana na ótima Gaita Mestra).

Esquema variado. "A maioria das músicas partiu de registros de cultura tradicional que faço há 10 anos e fui criando arranjos sobre essa gravações", diz. "Também usei ritmos tradicionais para compor melodias e arranjos, depois parti para a Europa e gravei de forma muito variada em estúdios profissionais ou mesmo na casa de músicos. Assim também foi na África, em Dacar, onde gravei com dois músicos, Ameth Male, irmão de Baaba Maal, e Duggy-Tee, rapper pioneiro na África."

No encarte do CD ele detalha suas experiências. O álbum tem participação de outros músicos de diversas origens, como o americano Marque Gilmore, o britânico Adrian Sherwood, o escocês Stuart Brown, os brasileiros Siba, Sacha Amback, Gabriel Levy, Gustavo Ruiz, Ligiana, Tulipa Ruiz, entre outros. "Gravo as coisas que uso e tenho uma relação com essas pessoas, alguns são grandes amigos meus, isso vai diferenciar o meu trabalho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.