Divino sobre o morro

Nova novela das 9, Salve Jorge leva subúrbio ao Complexo do Alemão

O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2012 | 03h12

A partir de amanhã, não tem mais Oi Oi Oi às 9 da noite. Seu Jorge assume o microfone na abertura de Salve Jorge, nova novela do horário, na Globo, com autoria de Glória Perez. A autora, que já foi a Marrocos, aos Estados Unidos e à Índia, agora põe seus personagens na Turquia, mas também no Complexo do Alemão, cenário inédito em folhetim. Sim, isso é obra da ocupação das UPPs, as Unidades de Polícia Pacificadora promovidas pelo governo do Rio de Janeiro, mas, ainda assim, mesmo tendo ido ao local pela primeira vez para gravar cenas de uma novela, a Globo construiu um Alemão cenográfico em terreno próprio, com 1,8 mil metros quadrados, no Projac, seu complexo de estúdios em Jacarepaguá.

A troca de Avenida Brasil por Salve Jorge também promete causar estranheza inicial a uma plateia que nos últimos oito meses esteve de olho em pouco menos de 50 personagens. O enredo volta a se diluir, como nos folhetins mais clássicos, com mais de 80 atores no elenco e algum número de tramas paralelas a contar. Sai o ritmo seriado, volta à cena o tom mais folhetinesco, próprio de uma discípula de Janete Clair, como é o caso de Glória Perez.

Em compensação, a diluição do enredo de novo nos leva a cenários internacionais, ainda que este seja um turismo de novela. Istambul promete ficar logo ali, como a autora fazia com o Marrocos de O Clone, com a Miami de América e com a Índia de Caminho das Índias, única novela brasileira a faturar um prêmio Emmy.

Sempre disposta a levar problemas e controvérsias do mundo real à sua ficção, Glória entra agora no universo do tráfico de pessoas, com Cláudia Raia no papel da mulher má que leva mocinhas bonitinhas para fora do País. Também abordará o poder democrático das redes sociais ao colocar em cena o blogueiro que tuitou a ocupação policial do Complexo do Alemão, em 2010 - conectado com a comunidade por meio de um noticiário sobre o pedaço, Renê Silva entrará na história para desempenhar função similar à da vida real.

E, claro, estando na Turquia, seremos brindados com conceitos, coreografias e algum acento que justifique o cenário em questão. O time é encabeçado pelo romance de Nanda Costa, estreante como protagonista de novela, e Rodrigo Lombardi - ela, claro, uma vítima do tráfico humano. Que Jorge nos salve. / CRISTINA PADIGLIONE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.