Diversos sotaques de um mutante

Embora esteja vinculado à ancestralidade da música popular na memória coletiva, o choro é mais do que um estilo clássico, é um mutante. Uma coleção representativa de suas diversas formas de vida começou em 2007 e ganha agora o volume 2. Trata-se do projeto Chorinho do Brasil, com caixas de 5 CDs cada, idealizado por Carlos Alberto Sion, com textos de Henrique Cazes e pesquisa de ambos, experts no assunto. Como no volume 1, o segundo só tem intérpretes e arranjadores de primeira - Severino Araújo, Radamés Gnattali, Ademilde Fonseca, Jacob do Bandolim, Quinteto Villa-Lobos, Altamiro Carrilho, Déo Rian Dominguinhos e Waldir Azevedo, só para citar os mais evidentes.

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2010 | 00h00

As gravações estão agrupadas tematicamente, o que contribui para dar uma visão mais ampla de cada modalidade ou formação instrumental em que esse estilo se projetou e se modernizou, além do tradicional regional. No entanto, o terreno seguro do clássico acaba prevalecendo sobre gravações modernosas, como é o caso de Um Abraço Seu Domingos (Amilson Godoy), com Dominguinhos, cujo arranjo soa datado, pasteurizado.

O próprio Dominguinhos, que divide o CD Chorando no Fole, com outros sanfoneiros de responsa (Chiquinho do Acordeon, Oswaldinho, Marcelo Caldi e Kiko Horta), brilha mais em outras faixas. Já Radamés Gnattali - O Modernizador do Choro, como comenta Cazes, tem arranjos antigos do maestro mas soam como se tivessem sido feitos "na semana passada". É um dos melhores da caixa, sem dúvida. Clássico e atual.

Jazz e vocal. Entre as gravações mais antigas estão as de Severino Araújo e a Orquestra Tabajara, que predomina em Quando o Choro Foi Jazz. A grande dama do gênero, Ademilde Fonseca, dá o ar da graça em uma faixa e é senhora absoluta de O Choro Cantado. Baby do Brasil (ex-Consuelo) bem que tentou, mas jamais atingiu o preciosismo da matriz, que cantava com uma velocidade de tirar o fôlego sem suprimir uma sílaba sequer. Tico Tico no Fubá, Urubu Malandro, Brasileirinho e Teco-Teco estão entre seus registros antológicos. As irmãs Buarque, Miúcha e Cristina, são bem mais contidas.

O Choro dos Virtuoses "homenageia músicos que souberam dosar técnica e balanço", conforme observa Cazes. Ele próprio, a provar a vocação renovadora do choro, aparece entre os mestres Altamiro Carrilho, Waldir Azevedo, o conjunto Época de Ouro, fundado por Jacob do Bandolim, e Déo Rian, que se aproxima de Bach com o Quinteto Villa-Lobos. Um banho de dinâmica e colorido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.