Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Distância

Quem se obriga a comentar a realidade política no Brasil só pode invejar o jeito de Shakespeare desprezar a atualidade, escolher os personagens que lhe interessavam e colocá-los onde queria

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

13 Setembro 2018 | 02h00

Shakespeare descobriu um jeito de escrever sobre política sem se envolver em política. O jeito: escrever sobre política no passado, numa Inglaterra remota no tempo, ou em outras terras, algumas até inventadas por ele. Não lhe faltaria assunto se escrevesse sobre a Inglaterra do seu tempo, um século de intrigas e conspirações, com personagens suficientes para encher vários fólios. A começar por Elizabeth, a Rainha Virgem, que reinou sobre um império dividido e sobreviveu a críticas e atentados partindo do Vaticano e da minoria católica, do império espanhol e de descontentes da sua própria corte – movimentos que, invariavelmente, acabavam com alguém sendo enforcado ou decapitado. Shakespeare cuidou em manter pelo menos um século de distância da sua época, na sua obra.

Em primeiro lugar por uma questão de sobrevivência: era proibido criticar a rainha ou outros no poder. Qualquer insinuação sobre a rainha ou sua vida particular, lá ia outra cabeça. Em segundo lugar porque, escrevendo sobre outros séculos, Shakespeare tinha, para escolher, heróis e vilões de todos os tempos, da Roma clássica à Escócia pré-histórica, de reis loucos a rainhas assassinas. Quem quisesse ler entre as linhas escritas por ele alguma alusão à atualidade elisabetana que lesse. Metáforas nunca mataram ninguém.

Quem se obriga a comentar a realidade política no Brasil só pode invejar o jeito de Shakespeare desprezar a atualidade, escolher os personagens que lhe interessavam e colocá-los onde queria. Egito, Ilíria, Sicília, a ilha não identificada em que Próspero ensina Caliban a praguejar, a romântica Verona... Não o Brasil. Não esses personagens. Não essa realidade. O problema é que começam a rarear os lugares que se salvam da mediocridade crescente no mundo. Era costume citar os países escandinavos como exemplo de sociedades racionais. Agora leio que a Suécia – a Suécia, que já foi chamada de superpotência moral! – prepara-se para uma eleição em que, dizem as pesquisas e as manifestações anti-imigrantes, um partido de extrema direita e xenófobo pode ganhar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.