Disputa entre YouTube e Cicarelli repercute no exterior

A decisão da Justiça brasileira de obrigar o site YouTube a impedir o acesso de internautas a um vídeo com cenas quentes envolvendo a modelo Daniela Cicarelli repercutiu na imprensa internacional nesta sexta-feira. Jornais de grande circulação nos Estados Unidos, como o USA Today e o The New York Times, trouxeram reportagens sobre o caso. No BBC News, um dos sites jornalísticos de maior audiência em inglês, a notícia sobre a disputa entre a modelo brasileira e o site YouTube foi a mais lida pelos internautas durante a maior parte da manhã de sexta-feira. A decisão sobre o caso foi tomada em setembro pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e reafirmada nesta quarta-feira, em medida liminar, pelo juiz Ênio Santarelli Zuliani, da 4.ª Câmara de Direito Privado do tribunal paulista. Cenas picantes No vídeo, que invadiu diversos sites da internet em setembro do ano passado, Cicarelli é flagrada em cenas picantes com Renato Malzoni Filho, seu namorado, numa praia de Cádiz, na Espanha. Solteiro, Tato é sobrinho de Paulo Malzoni, presidente do Grupo Victor Malzoni, controlador da rede Shopping Plaza, de São Paulo. O vídeo começa com carícias apaixonadas na areia e acaba numa suposta cena de sexo no mar. Notícia falsa A reportagem publicada no The New York Times, distribuída pela agência de notícias Associated Press, lembra que dois sites brasileiros já haviam sido acionados pela Justiça para retirar o vídeo de seus servidores. O casal entrou com duas ações na Justiça. Uma delas era indenizatória por danos morais e materiais contra as Organizações Globo de Comunicação, o IG Internet Group do Brasil Ltda e o YouTube Inc., na 25.ª Vara Civil de São Paulo. Na outra ação o casal pedia que o vídeo fosse retirado do ar. O pedido foi acatado pela Justiça. O mesmo texto da Associated Press também foi reproduzido em sites de outros veículos, como o argentino Clarín e as revistas americanas Forbes e BusinessWeek. Segundo o BBC News, apesar dos esforços do YouTube de retirar o vídeo do ar, internautas continuam recolocando as imagens no site. No blog Monkey Bites, da revista americana Wired - uma das principais publicações sobre tecnologia e informática - uma versão falsa da notícia repercutiu. Segundo nota publicada pelo blog na quinta-feira, a Justiça brasileira ordenou que todo o site YouTube seja retirado do ar. ?Um bebê brasileiro foi jogado fora junto com a água do banho ontem (quarta-feira), quando um juiz ordenou o Google a fechar o YouTube até que o site retire do ar um vídeo de sexo com uma celebridade?, escreve Scott Gilbertson, do Monkey Bites. O jornal espanhol El País também veiculou que YouTube deveria ser fechado. A versão de que todo o YouTube teria de ser retirado do ar chegou a ser veiculada por alguns sites brasileiros e agências internacionais na quinta-feira, mas foi desmentida pelo Tribunal de Justiça. A Justiça determinou apenas que o YouTube impeça a veiculação do vídeo com Daniela Cicarelli. O YouTube é um dos sites de vídeo mais populares da internet. Segundo a empresa, os vídeos colocados nos seus servidores são vistos 100 milhões de vezes por dia. O site foi comprado no ano passado pela empresa americana Google por US$ 1,6 bilhões (cerca de R$ 3,5 bilhões). No ano passado, outro caso entre o Google e a Justiça brasileira repercutiu no exterior. A Justiça brasileira determinou que o Google fornecesse ao Ministério Público informações sobre internautas acusados de crimes como pedofilia que utilizam o site de relacionamentos Orkut.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.