Disney proíbe referências ao fumo nos filmes

A Walt Disney Co. tornou-se nestaquarta-feira o primeiro grande estúdio de Hollywood a proibirquaisquer referências ao fumo, dizendo que não vai permitiresse tipo de imagem nos filmes da Disney voltados para afamília e que irá "desencorajar" essa prática em filmesdistribuídos por seus selos Touchstone e Miramax. O executivo-chefe da Disney, Robert Iger, disse ainda emuma carta ao congressista republicano Edward Markey, cujocomitê realizou no mês passado audiências sobre os efeitos dasimagens em filmes sobre as crianças, que o estúdio irá colocaranúncios antitabagismo nos DVDs de todos os filmes futuros quemostrem pessoas fumando. Ele declarou que a empresa irá incentivar os donos decinema a exibir anúncios antitabagismo (PSAs na sigla eminglês) antes desses filmes. Iger alertou, entretanto, que "o fumo de cigarro é umproblema isolado e essa iniciativa dos anúncios não abreprecedente para nenhuma outra questão". O deputado Markey descreveu o comprometimento da Disneycomo "pioneiro" e instou outros estúdios a seguir o exemplo. Cheryl Healton, médico e presidente da Fundação LegadoAmericano (ALF) parabenizou a Disney pelo gesto, mas disse queo estúdio deixou "uma certa ambiguidade a respeito do que iráacontecer em relação à Touchstone e à Miramax". Pesquisas citadas pela ALF, uma organização beneficentecriada depois de um litígio histórico entre a indústria dotabaco e a Procuradoria-Geral dos EUA, mostram que 90 por centodos filmes contêm cenas de fumo e que as crianças mais expostasao fumo nos filmes têm uma probabilidade até três vezes maiorde começar a fumar. O fumo é apresentado em três quartos dos filmes nascategorias G (livre), PG (recomendado para crianças comreservas) e PG-13 (recomendado para crianças de 13 anos oumais), e em 90 por cento dos filmes da categoria R (adultos),demonstraram os estudos. A produtora independente Weinstein Co. já exibe os anúnciosantitabagismo produzidos pela American Legacy Foundation antesde seus filmes que mostram cenas de fumo, disse Healton.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.