Discovery leva "Estação Espacial" a 150 países

Cento e cinqüenta países, incluindo o Brasil, acompanharão no próximo domingo, dia 10, a partir das 21 horas, o Projeto Estação Espacial, uma realização do Discovery Channel em parceria com a Nasa. O programa acompanha toda a montagem, treinamento, testes e conquistas dos astronautas envolvidos na primeira residência permanente para seres humanos no espaço.Os dois primeiros componentes da Estação Espacial foram montados em dezembro de 1998. Quando estiver completa, em 2005, ela será o terceiro objeto mais brilhantes do céu -perdendo apenas para a Lua e Vênus - e visível a olho nu. Seu aspecto lembra o de um "dragão voador", com cilindros brancos que formam o corpo e grandes caixas de painéis solares, como se fossem asas. Essa estrutura é considerada uma das maiores já desenvolvidas pelo homem. Ao todo são 108,5 metros de largura por 88,4 metros de comprimento (sua largura será de aproximadamente um terço da altura da Torre Eiffel). Quando estiver completa, a Estação pesará cerca de 453,6 toneladas métricas (ou seja, sete vezes mais o peso de um dinossauro como o Braquiossauro, que pesava 70 toneladas).Dezesseis países estão envolvidos neste projeto, orçado em 37 bilhões de dólares. São eles: Estados Unidos, Canadá, Japão, Rússia, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Países Baixos, Noruega, Espanha, Suíça, Suécia, Reino Unido, Brasil e Itália. O Brasil também está representado nessa aventura pelo astronauta Marcos César Pontes, piloto militar e de prova da Força Aérea Brasileira, especialista em investigação de acidentes aéreos."A estação espacial é basicamente um laboratório para criar novas tecnologias em medicamentos e que não podem ser feitos aqui na Terra, além de ajudar a conhecer melhor o corpo humano. Assim poderemos aprender como sobreviver no espaço quando começarmos a sair do planeta", explica Pierre de Lespinois, produtor do "Projeto Estação Espacial". A previsão dos cientistas e pesquisadores é de que dentro de 20 anos estaremos colonizando a Lua, e em 30 anos, o planeta Marte.Como somente algumas partes da Estação Espacial estão no céu, o programa contou com imagens geradas por computador para dar uma idéia de como será a estação quando estiver completa. "Três pessoas já estão morando lá, trabalhando na construção da mesma. Algumas imagens são reais, mas outras foram criadas. Usamos mais de 100 efeitos especiais para este filme", explica Lespinois.Com essa mistura de real e imaginário será possível ver a Estação totalmente construída e girando ao redor da Terra. "Mostraremos seu interior e também novas tecnologias, tais como os comunicadores de satélites flutuantes pessoais para os astronautas e o novo robonauta que estará trabalhando com eles", completa ele.Entre as imagens mais difíceis de serem captadas, o produtor cita as feitas dentro de uma piscina, durante o treinamento dos astronautas, pois os cameramen precisavam ser especialistas em gases mistos. Depois de muitos exames, eles foram autorizados a entrar na piscina, com profundidade suficiente para causar constantes câimbras devido à mudança de pressão na água.Com câmeras de alta resolução, o programa trará os astronautas trabalhando na Estação, detalhes de seu interior, compartimentos, pesquisas, enfim, tudo que envolve o projeto. "Os astronautas foram treinados para usarem as câmeras e fizeram um trabalho maravilhoso", atesta Lespinois, comentando ainda que este projeto traduz "a sede do homem por novas idéias". "O explorador ainda vive dentro de nós almejando viajar por locais nunca antes visitados."Como o programa faz do parte do evento "Assista com o Mundo" e exibido com 32 idiomas, a equipe de produção tomou cuidado de fornecer elementos para que cada país montasse o programa de acordo com seu público. Os astronautas estrangeiros gravaram falando seu próprio idioma. Nos Estados Unidos foi usada a voz do ator Liam Neeson, que atuou no último filme da série Guerra nas Estrelas.

Agencia Estado,

03 de dezembro de 2000 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.