Discovery: aventura sem fim na gelada Patagônia

Percorrer 317 quilômetros remando em fortes corredeiras, cavalgando por pampas, escalando cordilheiras e caminhando por vales e florestas. Tudo até poderia ser razoavelmente suportável se não fosse na gelada Patagônia, um dos lugares mais instigantes da Terra. Pois este foi o desafio da expedição Eco Challenge, aventura que o Discovery Channel (Net/TVA/Sky/Directv) exibe hoje e amanhã, às 22 h. Duzentos e quatro competidores de diversos países, inclusive do Brasil, se aventuraram nessa competição anual, considerada uma das mais difíceis do mundo. A equipe do Discovery Channel registrou toda a maratona das provas, que testam limites físicos e psicológicos de cada participante. A corrida já foi realizadas em Utah, Nova Inglaterra, Columbia Britânica no Canadá, Austrália e Marrocos. Dezenove equipes de filmagem trabalharam para captar as melhores imagens. ?Não existe outro evento como este e a Argentina apresentou inúmeros desafios para nós, principalmente quanto ao terrível clima?, diz Peter Henning, diretor e câmera de eventos esportivos. "O Discovery Channel Eco Challenge é uma corrida expedicionária contra a natureza em sua forma mais primitiva. Não é apenas um teste de habilidade física ou atlética. É realmente um teste do espírito humano", define Angus Yates, produtor executivo que, pela quarta vez, trabalha na competição.Cada equipe, formada por homens e mulheres, contava com equipamentos obrigatórios de acordo com cada prova. A idade média dos participantes era de 33 anos, sendo que o mais jovem tinha 22 e pertencia à equipe finlandesa, e o mais velho, de 55 anos, era um dos integrantes do grupo do Reino Unido.A corrida teve início com a prova de canoagem no lago rodeado por geleiras, na região de Nahuel Huapi, seguida de 40 quilômetros de cavalgada. A caminhada, passando por florestas densas e montanhas, foi o próximo passo, até descerem de rapel por quedas d?água. Antes de cruzar a linha de chegada, vários acidentes ocorreram. Uma integrante teve o tornozelo quebrado numa queda de cavalo, outra caiu no gelo e escapou da morte por muito pouco. Também houve o caso de um competidor que sofreu de insolação e de uma atleta que teve um enorme cisto no ovário, prestes a estourar a qualquer momento. Equipes de apoio, guias de regiões selvagens e membros da equipe médica desempenharam um importante papel na realização desta aventura. A equipe Greenpeace, da Nova Zelândia, foi a grande vencedora, completando o percurso em cinco dias e 33 minutos, seguida dos espanhóis (equipe Sierra Nevada, 5 dias, 1 hora, 23 minutos), e dos donos da casa (a equipe argentina Condor, 5 dias, 2 horas, e 33 minutos). A equipe Brazil 500 Years não obteve classificação, mas foi calorosamente recebida na chegada. Do total de 51 grupos, apenas 34 completaram o percurso. Além de muita experiência e cansaço, a equipe que chegou em primeiro lugar levou para casa US$ 50 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.