Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Divulgação
Divulgação

Diretor usa estilo frio para falar de jovem que se prostitui em 'Slovenian Girl'

Filme de Damjan Kozole foi vencedor do grande prêmio da Academia Europeia de cinema em 2009

LUIZ CARLOS MERTEN - O Estado de S.Paulo,

03 de maio de 2012 | 03h10

Vencedor do grande prêmio da Academia Europeia de cinema em 2009, diversos troféus de melhor atriz para Nina Ivanisin - Slovenian Girl, ou Garota Eslovena (como foi projetado na Mostra de 2010), é certamente um filme de qualidade, e é até curioso se perguntar por que demorou tanto para chegar ao circuito. O cinema contou muitas histórias de prostitutas e, nos filmes de gêneros - melodramas e westerns - elas em geral sofrem e/ou têm bom coração. No começo dos anos 1960, contou como se fosse num documentário, no formato de quadros, a história de Naná em Viver a Vida. Sem que seu filme seja godardiano, Viver a Vida deve ter sido o modelo do diretor Damjan Kozole para seu longa.

Nina Ivanisin é Alexandra, dublê de estudante e prostituta, cuja história ele conta num estilo propositadamente 'frio'. Vendendo o corpo, Alexandra logra comprar um apartamento que vira seu castelo, a realização de um sonho de consumo que possui um preço.

Há na protagonista uma espécie de tristeza, que a acompanha sempre. A trilha participa e, na verdade, constrói o clima - Run Along constrói, por assim dizer, a fluidez do relato e serve de contraponto à cidade; Bobby Brown Goes Down (de Frank Zappa) é mais interiorizado e carrega a crítica do sonho americano que a garota eslovena, de forma talvez inconsciente, assume.

Ninguém vende o corpo impunemente. Existe a família de Alexandra, existem seus clientes. Assim como Beto Brant introduz a questão fundiária em Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios para discutir a 'posse' de Lavínia (Camila Pitanga), há o cliente que quer Alexandra para si, como há o velhinho que revela uma delicadeza inesperada com ela. Ela trapaceia com todos, fingindo um câncer inexiste. Engana o próprio pai, quando necessita de dinheiro. O filme não adota pontos de vista, nem o da protagonista. É como se Damjan Kozole olhasse tudo de longe, mesmo nos momentos intimistas, daí a sensação de frieza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.