Diretor de 'Titanic' participa de reunião de vazamento de óleo

O diretor do filme "Titanic" e explorador de profundezas marítimas James Cameron participou na terça-feira de uma sessão de discussão e apresentação de ideias com cientistas, acadêmicos e funcionários de Washington, sobre como conter o vazamento de óleo que segue há seis semanas no Golfo do México, disseram fontes ambientalistas.

REUTERS

02 de junho de 2010 | 12h24

Cameron fez dois documentários sobre os destroços do transatlântico Titanic, além do filme blockbuster de 1997, usando uma pequena frota de submarinos operados por controle remoto e projetados especialmente para esse fim.

Funcionários da agência ambiental dos EUA disseram que a reunião da terça-feira "fez parte dos esforços contínuos do governo federal para ouvir as sugestões de partes interessadas, cientistas, especialistas acadêmicos, integrantes do governo e setor privado, em nossa resposta ao vazamento de óleo da BP."

A reunião aconteceu após o fracasso, na semana passada, da tentativa da British Petroleum de fechar o vazamento, injetando lama pesada no poço petrolífero rompido, uma estratégia batizada de "top kill."

A reunião da terça-feira, uma de várias semelhantes promovidas nas últimas semanas, envolveu integrantes da Agência de Proteção Ambiental, da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, do Departamento de Energia e de outras agências federais, disseram funcionários de Washington.

A reunião teve a presença de mais de 20 notados cientistas, engenheiros e especialistas técnicos e foi descrita como "umasessão em que essas partes interessadas compartilharam ideias sobre esforços possíveis para mitigar o impacto do vazamento da BP sobre a região do Golfo."

Não foram divulgados detalhes sobre a contribuição de Cameron.

Aos 55 anos, James Cameron é um dos diretores mais ricos e bem-sucedidos de Hollywood, tendo em seu currículo os dois filmes de maior bilheteria da história do cinema: "Avatar" e "Titanic."

Ele estudou física na faculdade e ajudou a desenvolver equipamentos submersíveis de águas profundas e outras tecnologias oceânicas submarinas para a realização de uma série de documentários explorando os destroços do Titanic e do navio de guerra alemão Bismarck, a aproximadamente três quilômetros abaixo da superfície.

(Reportagem de Jill Serjeant)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTECAMERONVAZAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.