Diretor de Cidadão Brasileiro sai da novela

Na queda de braço envolvendo a produção de Cidadão Brasileiro, da Record, e o diretor-geral da novela, Flávio Colatrello, a produção levou a melhor: o diretor deve deixar o folhetim nos próximos dias. Colatrello trocou a Globo pela Record no ano passado, quando comandou a novela Essas Mulheres. As críticas ao seu desempenho em Cidadão vêm desde a estréia e não só por parte da produção, mas especialmente do elenco e do autor, Lauro Cesar Muniz. A iluminação foi o primeiro ponto de discórdia. Depois vieram brigas com câmeras, atores e produtores. Logo se apresentou também uma discórdia entre autor e diretor quanto ao timing do texto. Por último, veio a questão da passagem de tempo exigida pelo enredo: Colatrello sempre defendeu a troca do elenco na segunda fase da história, a fim de avançar a faixa etária dos personagens, enquanto Muniz quer manter os mesmos atores e utilizar técnicas de envelhecimento via maquiagem. O autor chegou a fazer críticas públicas à queda de qualidade de direção de sua novela - que inaugurou um novo horário de teledramaturgia no canal - e ao atraso nas gravações por conta do excesso de locações. A Record, por sua vez, esmerou-se em fingir que nada acontecia e que a crise estava contornada. A direção da rede apostava no diretor por conta da boa audiência alcançada no folhetim - 13 pontos de média - e porque não tinha ninguém em mente para substituí-lo. Não tinha... A saída de Colatrello coincide com o início das gravações da segunda fase da trama, que começam em junho. Na lista dos que podem assumir a novela estão Ivan Zettel, Fábio Junqueira e João Camargo, que dividem a direção com Colatrello, ainda dono dos créditos de diretor-geral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.