Direto da fonte

Escondidinho

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2011 | 00h00

Novos capítulos na sucessão à presidência da OAB-SP. Apesar de o atual presidente, Luiz Flávio D"Urso, negar intenção de fazer acordo para lançar candidato único no ano que vem, Márcia Melaré, da situação, jantou anteontem, no Italy, com Rui Fragoso e José Luis de Oliveira Lima. Os dois são do grupo de Antônio Mariz - historicamente da oposição.

Batata quente

Indagado, Mariz afirma que não se trata de aproximação com D"Urso, mas com Rubens Approbato Machado, pai de Márcia. "Sei da insatisfação de parte da situação". Ele aposta em um racha.

Pavê

D"Urso explica que Márcia teve o cuidado de avisá-lo previamente sobre o jantar. E informou se tratar de reunião sem conotação política; apenas de cunho pessoal e profissional.

Novos tempos?

Gastão Vieira prometeu mostrar quem manda no Turismo. Avisou a nova equipe de que eliminou reuniões a portas fechadas com, por exemplo, o Conselho Nacional de Turismo. Prefere que haja, sempre, "testemunhas".

Novos 2?

Antes da posse, o novo ministro ligou para Luiz Cláudio Costa, secretário da Educação Superior. Propôs parceria entre Turismo e MEC, para melhorar os cursos de qualificação da pasta. Especialmente o aprendizado de línguas, com bolsas no exterior.

Debandada

O PMDB queria demonstrar unidade no Fórum Nacional do partido, em Brasília, quinta. Mas Sérgio Cabral e Eduardo Paes não deram as caras. Nos bastidores, uma interpretação: os dois estão revoltados com o governo, por conta da divisão dos royalties do petróleo. E acham que a direção do PMDB menospreza os interesses do Rio.

Mãos de tesoura

Wanderley Nunes repaginou o visual de Claudia Raia. Pintou o cabelo da atriz de castanho acobreado, apostando em um "look meio crespo". Ela mostra os novos fios no Hair Fashion Show, desfile de penteados, segunda, no Unique.

Guia de bolso

Teresa Perez lança, terça, no Lounge One do Iguatemi, o segundo volume de sua série The Traveller Guide. Dedicado à Suíça, traz uma seleção dos 15 melhores destinos no país.

Cerveja classe A

Em conversas reservadas, executivos da Fifa deixam claro que discordam do MP brasileiro. Não associam violência ao consumo de cerveja durante jogos da Copa.

Motivos? A experiência bem-sucedida na África do Sul e... o preço dos ingressos, que "nivela por cima" o público nas arenas.

Cerveja 2

Neste episódio, a Confederação Nacional do Turismo fechou com a Fifa. Defende a venda de cerveja nos estádios (e não só durante a Copa): "Cada um é responsável por seus atos", afirma Edson Pinto, diretor da CNTur.

Cerveja 3

Paulo Castilho, do MP, atira de volta: "Será que a publicidade nos estádios não é suficiente?" Maurício Lopes, promotor, conclui: "O argumento de nivelar por cima é cafajeste. E os hooligans, são todos miseráveis?".

Na frente

José Goldemberg palestra na Kennedy School of Government, em Boston, terça. A convite da Harvard.

A Câmara Brasileira do Livro comemora 65 anos. Terça, com festa em sua sede.

Laura Gorski abre individual. Hoje, na Galeria Zipper.

Angelo Pastorello dá palestra no Congresso Latino-americano de Fotografia de Nu. No Shopping Eldorado.

Frédéric Drouhin, produtor de vinho da Borgonha, apresenta sete rótulos em degustação no Parigi, trazido pela Mistral. Segunda.

Interinas: Débora Bergamasco, Marilia Neustein e Paula Bonelli.

Emociones

Eterno latin lover, Julio Iglesias está de volta ao Brasil. Fará shows em sete capitais, sendo em São Paulo nos dias 8 e 9 de outubro, pela Geo Eventos. Às vésperas dos 68 anos, e ostentando o recorde de 300 milhões de discos vendidos em mais de quatro décadas de carreira, vem apresentar novo álbum, "1". Ele é quem faz a primeira pergunta à jovem repórter: "O que você quer saber de mim que sua mãe ainda não lhe contou?"

O senhor é o cantor latino mais romântico que existe.

As pessoas pensam que inventei o amor, mas não é nada disso. Ele nasceu há muito tempo...

Mas o senhor ainda compõe inspirado pelo romantismo.

Dos 22 aos 45 anos, fiz músicas para encontrar palavras de amor. Depois, percebi que havia compositores que falavam melhor sobre o assunto do que eu (risos). Cantava mal minhas canções, mas escrevia bem. Agora, escrevo mal, mas canto melhor.

Qual sua expectativa para os shows no Brasil?

Estou muito feliz. É um país de que gosto naturalmente.

O que acha de ser comparado ao rei do romantismo brasileiro, Roberto Carlos?

Ele é o rei, eu sou um súdito.

Mas o senhor é o rei do romantismo no mundo...

Só sou rei na minha casa, porque adoro minha família.

Dá para ser romântico sem ser cafona?

Mi amor, o romantismo nasceu para nunca morrer. Mas a juventude escuta minha música de forma diferente. Só que eu também sou jovem (risos). Tenho um filho de 4 anos e estou pensando em fazer outro.

O que mais vem por aí?

Um mês depois da turnê, lanço, no mundo inteiro, um disco com 34 canções que voltei a gravar e mais um álbum de duetos. Sou cheio de gratidão pelas pessoas que, depois de tanto tempo, não se esquecem de mim.

O senhor nunca será esquecido. É um supercantor...

Eu não sou um supercantor...

É, sim. Está sendo humilde...

Supercantor, não... cantor.

Fará algum dueto nos shows?

Vou fazer um tripleto, com meus dois filhos.

Não vai cantar com nenhum artista brasileiro?

Eu gostaria, mas não querem cantar comigo, porque acham que eu canto mal (risos). /SOFIA PATSCH

Colaboração

Débora Bergamasco debora.bergamasco@grupoestado.com.br

Marilia Neustein marilia.neustein@grupoestado.com.br

Paula Bonelli paula.bonelli@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.