Direto da Fonte

Realidade cruel

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2011 | 00h00

A grande questão nesta nova rodada da crise internacional é: como fazer para o mundo voltar a crescer? Segundo José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados, não há ainda resposta para essa pergunta. E a sensação é de perplexidade.

A única coisa clara hoje é que a retomada será lenta.

Carta aberta

Inconformado com o rompimento das conversas em torno da chapa única na eleição da OAB-SP, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira enviou carta para a nata da advocacia do Estado. Sobre Luiz Flávio D"Urso, com quem negociava o "acordão", Mariz fala em "decepção" e "pesar".

Mas teve gente, como Carlos Miguel Aidar, comemorando o naufrágio do projeto. O ex-presidente da Ordem afirmou que "jamais apoiaria este malsinado acordo".

Corrida eleitoral

O PSDB está próximo de bater o martelo: Serra não será mesmo candidato a prefeito. Essa convicção foi expressa em alto e bom tom por Sérgio Guerra em reuniões com tucanos, segunda-feira, durante sua passagem por São Paulo. Principal argumento? Assim como Marta, Serra tem altos índices de rejeição na cidade.

A que ponto...

Luiz Marinho almoçava no Rodeio dos Jardins, sexta, quando foi "atropelado" por um desconhecido: "O senhor foi ministro do Collor?" Ao que o prefeito de São Bernardo retrucou: "Não, do Lula!".

E sem saber com quem estava falando, tentou: "Tô com problema num terreno em Itanhaém e preciso da ajuda do governo". E emendou: "A comissão é de R$ 5 milhões, terei prazer em dividir". Entregou seu cartão e foi embora.

Perplexo, o petista leu: J. C. de Oliveira, consultor de imóveis.

Balança, mas...

Sem ter a quem reclamar, a Ouvidoria de SP vive em perigo constante. As paredes da Galeria Olido, onde funciona a repartição, estão repletas de rachaduras e infiltrações, a fiação está exposta, os elevadores vivem quebrados e a garagem abriga uma "cascata".

A resposta da Prefeitura para as reclamações dos servidores é sempre a mesma: não há dinheiro para as obras.

Com a palavra o Contru.

Sala de aula

Verônica Serra, Jorge Paulo Lemann e Paulo Skaf anotaram a lição do indiano Nitin Nohria. O reitor da Harvard Business School deu aula magna terça-feira na Fiesp.

Para uma plateia composta de ex-alunos da HBS.

Cúmplices

Thays Martinez, advogada com deficiência visual barrada no Metrô de SP com seu cão-guia, transformou a revolta em livro.

Minha Vida com Bóris sai pela Globo Livros.[17 E 18/12][17 E 18/12][17 E 18/12]

Bruxaria

Na primeira tentativa de tuitar link para matéria sobre a suposta negociação entre Carrefour e Walmart, Abilio Diniz se confundiu.

Acabou postando reportagem sobre... Harry Potter. Avisado por alguns de seus seguidores, desculpou-se e trocou o link.

Na frente

Novidade no Vladimir Herzog. Elifas Andreato é o homenageado do prêmio e os vencedores concorrerão a viagens para NY e Washington.

Eduardo Climachauska abre a individual HO-BA-LÁ-LÁ. Hoje, na Galeria Eduardo Fernandes.

Pela primeira vez, uma empresa têxtil participa do Salão de Artes da Hebraica. Trata-se da Safira Sedas. Com tecidos "instalação" batizados de Art by Yard.

E Doda Miranda subiu para a 13ª posição no ranking mundial do hipismo.

Chiara Gadaleta foi escolhida para ser a diretora de moda da Harper"s Bazaar.

Betty Milan lança o livro Quem Ama Escuta. Na FNAC Pinheiros. Hoje.

Mario Santiago abre a mostra Sujurbano, com curadoria de Fernando Brandão. Na Galeria IMPAR. Hoje.

Miúcha vai homenagear o irmão, Chico Buarque, acompanhada pela Orquestra Sinfônica Municipal. O show acontece sábado, no Clube Hebraica.

Inclusão

Tendo vivido o problema na própria pele, Carlos Edde, presidente do partido libanês National Bloc, montou proposta enviada ao Itamaraty.

Pede novas regras no que tange ao reconhecimento de cursos e diplomas obtidos por brasileiros no exterior. "Existem hoje mais de três milhões de brasileiros residindo lá fora. E muitos de seus filhos gostariam de se reintegrar ao terminar o segundo grau e atingir a maioridade", aponta o político, responsável pela reunificação da oposição no Líbano.

De mãe brasileira, Edde (em São Paulo para visitar a família) acredita que se faz necessária uma política para facilitar a reintegração desses jovens que moraram fora do Brasil. Como? Desenvolvendo mecanismos para mantê-los.

Caso contrário, o País sofrerá "evasão de cérebros" que poderiam contribuir, de forma produtiva, para o desenvolvimento nacional.

Colaboração

Débora Bergamasco debora.bergamasco@grupoestado.com.br

Marilia Neustein marilia.neustein@grupoestado.com.br

Paula Bonelli paula.bonelli@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.