Direto da Fonte

Pão amanhecido

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2011 | 00h00

A contar dos telefonemas que esta coluna recebeu ontem, a artilharia contra a proposta de unir Pão de Açúcar e Carrefour vai se intensificar. As críticas vão desde a classificação da operação como "antiética e ilegal", como já declarou o Casino oficialmente, até "vamos virar uma Rússia".

O que mais incomodou boa parte dos fornecedores e fontes brasileiras ligadas ao Casino, além da questão de quebra de contrato, é o apoio que o BNDES dá à operação. "O Abilio está usando o governo Dilma para fazer pressão sobre seu sócio francês", colocou um conhecido empresário brasileiro cuja empresa hoje está internacionalizada. "A ajuda do BNDES, em uma briga entre sócios privados, afeta negativamente a imagem do Brasil lá fora. Se aprovada, à revelia do Casino, certamente seremos equiparados a governos como o da Rússia, China e Argentina", lembra um manager de fundo gigante de investimento, sócio de várias empresas no Brasil. Mesmo sabendo que Luciano Coutinho, do BNDES, declarou ao Estado que o banco apoiará operação "não-hostil". "Ele tem que ser mais claro nisto e destacar esta condição."

Pão 2

Afinal, o que é uma operação não-hostil? Uma que não inclua algo que a outra parte não queira. O que, até agora, não é o caso. Mas pelo que se apurou ontem com fontes do Pão de Açúcar, há possibilidade de negociação concreta entre Casino e o grupo de Abílio Diniz.

Quando? Na reunião da Wilkes (empresa que une Pão de Açúcar e Casino). Pedida nominalmente pelo Casino a Diniz, por meio de comunicado, anteontem.

Escalados

Durante os amistosos do Brasil contra a Holanda e Romênia, realizados em Goiás e São Paulo, agentes e viaturas da PF foram usados para fazer a escolta da Seleção Brasileira.

O Sindicato dos Agentes da Polícia Federal não gostou, já que esta não é atribuição desse tipo de profissional.

Explicação para a escalação? Teste para a Copa 2014.

À direita, você vê...

Sabe aquele ônibus de dois andares cheio de turista que é a cara de Londres? Pois é, a Secretaria Estadual do Turismo alugará dez deles para zanzarem pelo Estado. Em julho, circularão por Campos do Jordão e arredores.

No verão, migram para o litoral.

Big Brother Lalau

Escândalo na casa de Nicolau dos Santos, juiz aposentado condenado por desvio de dinheiro público. Um agente do Departamento Penitenciário, responsável por cuidar de Lalau, que está em prisão domiciliar, estava sendo vigiado pelo próprio preso.

O profissional encontrou uma câmera escondida no quarto que ocupava na casa do detento, na Cidade Jardim. Com direito a televisão para que Lalau pudesse monitorá-lo. O caso foi parar no Ministério Público Federal.

Parla Brasile!

Antonio Tabucchi desistiu da Flip por conta de Cesare Battisti, mas os organizadores do evento Momento Itália-Brasil garantem: o caso não irá interferir na vinda de convidados para o acontecimento que começa em outubro.

Pelo menos até agora ninguém cancelou a viagem.

Parla 2

Para lá, a caravana brasileira quer levar uma exposição itinerante de Oscar Niemeyer.

Souvenir

O Santos já definiu os destinos das duas tarjas de capitão usadas por Edu Dracena na final da Copa Libertadores da América. Uma irá a leilão com renda revertida para instituição caridade. A outra será sorteada entre os sócios do alvinegro.

Na frente

Alfredo Sirkis autografa O Efeito Marina. Hoje, na Saraiva do Pátio Paulista.

Walkyria Passos Claro lança livro no dia em que completa 88 anos. Hoje, na Cultura do Conjunto Nacional.

O show em prol da Childhood Brasil, no Municipal do Rio, passa hoje no Multishow.

Parece que o governo suprimiu o ritual de baixar a bandeira do Brasil ante a ausência da presidente no Palácio do Planalto. Na segunda e terça-feira, mesmo com Dilma fora de Brasília, a bandeira continuava lá... no alto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.