Direto da Fonte

Tucanos no ninho

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2011 | 00h00

Ao deixar o cargo de dirigente do diretório municipal do PSDB, domingo, José Henrique Reis Lobo fez discurso pregando a unidade do partido. E pedindo entendimento na composição de chapa única para a Executiva da legenda.

Alckmin falou em seguida a Lobo, durante o evento na Câmara Municipal. Na mão contrária, ressaltou ali que o partido não deve ter medo de disputas. Elas seriam saudáveis, a seu ver. Podendo até fortalecê-lo.

360º

Aécio Neves volta ao muro?

Ao ser questionado durante show do U2, sábado, se continuará subindo o tom contra Dilma e o PT, desconversou: "Precisamos marcar posição e discutir no Senado temas que são realmente importantes para o País. Mas não quero falar disso hoje".

360º2

Bono, por sinal, apareceu só no camarote onde estavam os petistas Eduardo Suplicy e José Eduardo Cardozo. Tirou fotos com todos e ao ver Álvaro Garnero, também presente, lembrou do irmão: "Fui à festa que Mario deu para Naomi Campbell perto de Mônaco. Me diverti muito", contou.

E no domingo, o politizado Bono deu um recado do governador à plateia: "É oficial. Alckmin disse que amanhã ninguém terá que trabalhar".

Prateleira 1

O encontro com 150 representantes dos amantes dos livros, na Biblioteca Nacional, sexta-feira, rendeu a Ana de Hollanda, apoio.

De quem? Da Câmara Brasileira do Livro e do sindicato nacional dos editores, em sua decisão de reacender o debate sobre a Lei do Direito Autoral.

Prateleira 2

A Liga Brasileira de Editoras entregou à ministra e a Galeno Amorim, da BN, no mesmo encontro, o Programa em Defesa da Bibliodiversidade.

Estão propondo limitar o capital estrangeiro no setor e pedindo adoção de linhas de crédito especiais para pequenas e médias editoras e livrarias.

Cantei, cantei

Sentado em poltrona prateada no show da Fecap, sábado, Cauby Peixoto se disse feliz por, aos 80 anos, lançar três CDs simultâneos. Além de estar gravando, ali, um DVD. Ou seja, não poderia errar. E... errou. Com Angela Maria, repetiu Começaria Tudo Outra Vez, três vezes.

Faena quer investir em SP

Alan Faena, responsável pela revitalização do bairro de Puerto Madero, em Buenos Aires, procura área em São Paulo. Pretende tentar repetir seu feito por aqui. Qual? O excêntrico empresário argentino criou um novo conceito de viver e morar em área totalmente abandonada e desvalorizada da capital argentina. Faena montou o empreendimento após vender complexo de moda por ele criado. E se dar o direto a um "intervalo" em Punta del Leste, até que tivesse uma boa ideia. Morou na praia... quatro anos.

Concentrado, idealizou como gostaria de viver, centrou foco em qualidade de vida, misturou arte e lazer. Surgiu com a ideia do Faena Art District e arredores, cujo destaque ainda é o Hotel + Universe. O hotel, arquitetado por Philippe Starck, é parte significativa do que é hoje um complexo residencial e cultural valorizadíssimo, com metro quadrado de US$ 7 mil, em média, segundo revelou Faena em sua rápida passagem por São Paulo, semana passada.

Investimento inicial? "Olha, posso te dizer que paguei quase nada pela área. Ninguém queria a região totalmente abandonada, " diz ele, sem maiores números. Recursos, de onde vieram? Além de próprios, de investidores parceiros. O primeiro a aderir foi o bilionário russo Len Blavatnik, fundador do grupo Access Industries. Depois, entraram os irmãos Christopher e Robert Burch, do fundo de investimento Red Badge e Austin Hearst, neto de William Hearst.

Como os convenceu? "Asseguro a você que não lhes vendi números e, sim, um sonho, sem nenhum business plan", explica Faena. Nenhum levantamento de retorno do capital, nenhuma pesquisa sobre impacto na região e possíveis resultados? "Não, fui pelo meu feeling". O empresário gosta de dizer vende estilo de vida, e não camas em hotéis.

Também é sonho dele que, um dia, brasileiros e argentinos se tratem como na verdade seriam, povos irmãos. Neste sentido, convidou Ernesto Neto para expor em abril no Faena Art District, abrindo o setor internacional do complexo artístico.

Faena já fez uma tentativa de entrar no Brasil como empresário. Foi dele a ideia inicial de construir o que hoje é o Hotel Fasano, no Rio. Pedras entraram no caminho, e a iniciativa foi transferida para a JHSF e Grupo Fasano. Está também construindo em Miami, em um hotel na região de South Beach. Serão US$ 200 milhões de investimentos. Desta vez fez um business plan? "Não. Já mostrei que dou resultados".

Na frente

Kate Hudson encontrou-se com Alexandre Birman domingo em sua loja. Saiu com 20 pares de sapatos. Na cidade para ver o U2, a filha de Goldie Hawn seguiu depois para o Morumbi e acabou a noite no bar Número com a banda.

É hoje a inauguração da primeira loja Lisa Corti em São Paulo. Nos Jardins.

Lala Rudge, Martha Medeiros e Mario Pantalena pilotam lançamento da coleção de Lalá Rudge. Quinta, na casa de Raquel Silveira.

Marisa Ribeiro expõe hoje fotos no Iguatemi.

Helena Sicupira apresenta coleção na AM Galeria Horizonte. A partir de amanhã.

A Camerata Aberta inaugura hoje temporada com recital voltado para a música das Américas. No SESC Consolação.

Acontece, amanhã, o lançamento do selo Má Companhia, da Cia das Letras. Na Livraria da Vila da Fradique.

Colaboração

Débora Bergamasco debora.bergamasco@grupoestado.com.br

João Luiz Vieira joao.vieira@grupoestado.com.br

Marilia Neustein marilia.neustein@grupoestado.com.br

Paula Bonelli paula.bonelli@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.