Direto da Fonte

Pacote comunista

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2010 | 00h00

Dilma pretende, finalmente, acertar os is com o PC do B. Deve se encontrar com Renato Rabelo, presidente do partido, antes do fim da semana.

O PC do B avisa: quer o Ministério do Esporte, a Autoridade Pública Olímpica e a empresa Brasil 2016. E conta com a permanência de Orlando Silva à frente do Esporte, com Haroldo de Lima na ANP e Manuel Rangel na Ancine. E colocarão "à disposição" Manuela D"Ávila, Flávio Dino e Aldo Rebelo.

Cobertor curto

Não é porque o Rio está conseguindo avanços na sua guerra contra o tráfico que a vida dos "combatentes" ficou fácil. Os policias dos novos batalhões da PM no Rio, que começaram a atuar anteontem nos complexos Penha e Alemão, foram acomodados, de última hora e, provisoriamente, no 16º BPM.

E para guardar suas roupas, tiverem que "emprestar" armários catados em muitos... presídios.

Ano velho

Com a autoestima relativamente em alta, os cariocas querem pular ondas e o passado no réveillon de Copacabana. O tema deste ano espelha o desejo: Década de Ouro. A próxima.

Contramão

Oito entre dez analistas de mercado acreditam que o Copom manterá a taxa de juros atual.

Entretanto, esta coluna foi convencida por um sábio: a Selic sobe hoje dando um recado claro de que o governo combaterá a inflação custe o que custar. Facilitando assim, a vida de Dilma.

Recuperação

A depender da torcida de médicos do Sírio Libanês, Gonçalo Vecina Neto será mesmo o novo ministro da Saúde. Ontem, o prognóstico que corria no hospital é de que Neto tem 90% de chance de emplacar.

Alias, Orestes Quércia está há mais de duas semanas internado no hospital. Para espairecer, tem feito caminhadas diárias pelo hospital. A família acredita que ele possa passar o Natal em casa.

Trauma

Gustavo Mello pretende produzir documentário sobre as vítimas do confisco no governo Collor. Está em busca de captação de recursos para rodar seu Confiscados.

Quem ficou sem um só tostão no bolso, em 1990, não esquece

WikiLeaks no ventilador

Há quem queira pegar carona no sucesso do WikiLeaks. O Instituto Brasileiro Contra Fraudes expande, dia 1º, o universo de sua atual página na internet, a lesadosporseguradoras. Colocam novo sistema: "Envie aqui seu documento sigiloso". Com proteção da identidade do colaborador.

Manobrada

Ao receber seu carro no estacionamento do Iguatemi, uma conhecida empresária tomou um susto daqueles. Seu Touareg estava "empinado", com a suspensão traseira rebaixada. Reclamou na hora, preencheu formulário e ainda ouviu do funcionário que o automóvel "já estava assim". Em casa, ela chamou mecânico que diagnosticou: o problema era novinho em folha.

Amiga de Carlos Jereissati, não sabe se reclama ou não para o dono do shopping.

À paisana

Sábado, entrou no Gero do mesmo Iguatemi um senhor vestindo bermuda, tênis e camiseta esporte. Foi conduzido a uma mesa de canto, onde estava sua mulher. Simpático, sem nenhum segurança, Guido Mantega cumprimentou a todos.

Rir faz bem

Patrick Siaretta, da TeleImage, investirá mais em comédias. Tudo por causa de sua experiência bem-sucedida como coprodutor de Muita Calma Nessa Hora, que superou 1 milhão de espectadores no fim de semana.

Cilada.com, de Bruno Mazzeo, é a sua próxima estreia.

Chuva de arroz

Roberto Podval, advogado criminalista que defendeu Alexandre Nardoni, se casa, pela segunda vez, em junho. Na ilha de Capri.

Com direito a convidados para os dois dias de comemoração.

Na frente

A Camargo Correa Cimentos avança e abre escritório em Lisboa. Dia 15.

A 5ª edição do Prêmio Paladar revela os melhores pratos da cidade em nove categorias. Hoje, no Hyatt.

Jack Vartanian lança coleção nova no Iguatemi e NK Store. Amanhã.

Fernanda Kujawski abre flagship. Amanhã, no Itaim.

Jacqueline Aronis lança Matéria Gráfica Ideia e Imagem. Na Casa das Rosas. Amanhã.

Ronaldo postou foto no Twitter com camiseta escrita "Nós vivemos de Corinthians". Adversários logo fizeram uma fotomontagem na internet: "Nós vivemos de mimimi...".

Noite de craques

Acompanhado da mulher Bia Antony, Ronaldo - acreditem - foi barrado no Teatro Municipal do Rio, anteontem, palco do Prêmio Craque do Brasileirão. "Cadê seu convite?", perguntou um segurança. Surpreso, o jogador admitiu não ter nada em mãos. Ao ver o Fenômeno naquela situação, torcedora do Fluminense não perdeu a chance de provocá-lo. "Se eu lhe der minha camisa do Fluzão, você me dá um sorrisinho?" Nenhuma reação. O sem-convite ligou para Andrés Sanchez, que estava dentro do teatro e logo apareceu para liberá-lo.

Maior sucesso da noite? Não foi um jogador e sim Marcelo Adnet. E a comissão de frente da Unidos da Tijuca, que se esmerou na troca de roupa, conforme o time homenageado. Eleitos discursos mais chatos, os dos ministros Orlando Silva e Carlos Gabas. E o mais aplaudido foi Conca, que não fez um discurso.

Sanchez subiu ao palco para receber de Lula uma placa pelo centenário do Timão e provocou, com palavras capciosas, o tricolor carioca, vencedor do Brasileirão. Foi vaiado. Maior emoção ficou por conta da homenagem a Ronaldo, que depois de ser aplaudido de pé, chorou diante da plateia.

Colaboraram Bruno Lousada e Sílvio Barsetti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.