Direto da fonte

Multiplicação dos pães

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2010 | 00h00

O mercado financeiro está curioso para descobrir a fórmula de crescimento do BVA: um ex-pequeno banco carioca, criado em 94, que nos últimos dois anos aumentou geometricamente seu capital.

Como inveja mata, o mercado espalhou pelo mundo subterrâneo das finanças veneno ligando o banco a ex-ministros e a partido político de tonalidade vermelha.

Maldade daquelas.

Tijolos em jogo

As construtoras menores - as mesmas que acabaram viabilizando o projeto de Belo Monte com menor preço como queria o governo - estão chiando. Boa parte da construção da usina deve ficar com a Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Odebrecht.

Elas se perguntam: como esse trio, que orçou o empreendimento em quase R$ 30 bilhões, agora acha que dá para fazer a usina por R$ 19 bilhões?

Percalço

O TRE já admite: não conseguirá julgar os mais de 3 mil pedidos de registro de candidaturas até 5ª, como manda o calendário eleitoral. Mesmo com a convocação extra de servidores no fim de semana. Entre os problemas, o do sistema Candex, que ora deturpa a informação, ora não a lê.

O tribunal avisa, no entanto, que o atraso será pequeno.

Saudade

Ayrton Senna, que completaria 50 anos em novembro, será homenageado com exposição interativa. Parceria do instituto que leva seu nome e Ydreams.

Boa ação

Depoimentos, entrevistas e documentos de Zilda Arns estão sendo organizados para se transformar em livro.

O projeto, de Marilda de Souza Ferri, está em fase de captação de recursos.

Contra o relógio

Obra no aeroporto de Guarulhos tem causado atrasos de até 30 minutos na saída de aviões nos horários de pico. Trata-se da construção de uma taxi-way (pista de acesso de aeronaves). Por causa dela, o avião tem que entrar na pista de pouso e decolagem para fazer manobra.

A Infraero confirma as obras mas não comenta os atrasos.

Contra o relógio 2

Uma explicação dada ontem para os atrasos da Gol chama a atenção. Os passageiros que esperavam para embarcar do Rio para SP recebiam da Infraero a informação: o atraso foi provocado por greve branca dos funcionários da companhia.

Balanço no ninho

Sergio Guerra se reuniu domingo à noite com Andrea Matarazzo, José Henrique Reis Lobo, Marcio Fortes, Eduardo Jorge e Cícero Lucena para avaliar o resultado das pesquisas eleitorais. Não chegaram a uma conclusão sobre o que pode ter mudado em dez dias, entre a primeira e a segunda pesquisa do Ibope, impactando Serra negativamente.

A decisão foi focar no segundo turno que se mostra sempre uma nova eleição.

Balanço 2

Falaram também sobre arrecadação de recursos. Acreditam que vai melhorar a partir da segunda quinzena de agosto.

Sobraaaaaaando!

Brasileiros em Saint-Tropez - e eram muuuitos- estavam loucos para saber o nome do pernambucano que disputou com um saudita, no night-clube Les Caves du Roy: quem conseguiria gastar mais abrindo champanhes em noite da semana passada.

Consta que o brazilian-made venceu - largou na mesa ? 400 mil.

Espelho

Alckmin descobriu que tem mais semelhanças com Serra do que imaginava, domingo, em Itaquera. Foi confundido com o candidato a presidente pela população que gritava: "Serra, vou votar em você!"

Na frente

A CPI da Bancoop receberá para depor, hoje, a ex-diretora financeira da cooperativa, Ana Maria Érnica. Pessoa de confiança de João Vaccari Neto, tesoureiro do PT.

Luiz Hermano abre a exposição Rede Concreta/Trama Orgânica. Dia 12, na Galeria Arte em Dobro, no Rio.

Juan Manuel Santos, presidente eleito da Colômbia, disse sim a João Dória. Participa do almoço do Lide em Cartagena. No dia 11 de outubro.

Ale Youssef, o festeiro-candidato, se lança hoje em seu Studio SP. Ao som de DJs como Tata Aeroplano, Plínio Profeta e de Polainas.

Frei Betto faz palestra off-Flip. Na Casa de Cultura, Quinta-feira.

Com produtores de 13 países, a Decanter Wine Show começa hoje no Hyatt.

Anna Maria Maiolino, artista plástica, lança seu livro Order and Subjectivity, na Galeria Millan. Quinta.

A exposição Marepe começa hoje na Luisa Strina.

Novidade em Nova York: máquinas vendem flores para maridos e namorados distraídos ou muito ocupados. O buquê sai por US$ 10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.