Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2010 | 00h00

A vida pode ficar ainda mais estressante para os usuários dos jatos executivos. Nelson Jobim trabalha para inserir no relatório da comissão, criada para revisar o Código Brasileiro da Aeronáutica, a exclusão de aeroportos da lista de pouso e decolagem deste tipo de aeronave. Quais ? Congonhas, Guarulhos, Santos Dumont, Galeão, entre outros.

Essa comissão, presidida por Luiz Sérgio, do PT, e relatada por Rodrigo Loures, do PMDB, foi criada em março de 2008, depois da CPI do Apagão Aéreo, para aparar arestas.

No ar 2

Jobim tenta de tudo para amenizar o problema dos não-aeroportos. A coluna ontem mencionou que em lugar de concessão, o governo pensa em dar autorização direta a investidores. Evitando as licitações.

A proposta ganhou força na reunião com Lula. E viria vinculada ao cumprimento de uma série de obrigações.

No ar 3

São três as áreas em São Paulo que poderiam abrigar o novo aeroporto. Uma em Embu, outra próxima do cruzamento da Imigrantes com a Anchieta e uma terceira na região de Caieiras. Todas com distância menor que 50 km do centro da capital..

No ar 4

E Viracopos? Propostas de ampliação? Difícil. Existe um só aeroporto de grande fluxo localizado fora de um perímetro de 50 km: o de Narita, a 60 km de Tóquio.

E Guarulhos? Se o TCU não complicar, tem chance.

Quem vem

Depois de adiar duas vezes visita oficial ao Brasil este ano, Silvio Berlusconi bateu o martelo. Desembarca em SP no dia 28. Vão tratar da extradição de Battisti?

Ações e pipoca

O que aconteceu ontem pela manhã, durante o primeiro jogo da Copa - África do Sul contra México - dá dimensão do tamanho da paralisação iminente do Brasil no Mundial: haviam poucos empresários e integrantes do mercado financeiro trabalhando.

Os bancos se adiantaram e vão dispensar seu pessoal no dia da estreia brasileira. As bolsas, não.

Democrático

Em tempos de Copa, Paulo Renato deixou as diretoras da escolas de São Paulo com a faca e o queijo nas mãos. Cabe a elas a decisão de liberar alunos para assistir aos jogos da seleção.

Vale 10

Estimativas feitas por técnicos da Vale resultaram em número surpreendente: a ex-estatal vai contribuir, em 2010, com 10% do PIB se ele crescer mesmo 6%.

Como calcularam isso? A custo de fatores: somando lucro mais juros mais aluguéis e salários.

Fatia do bolo

O PSDB começou a fazer, finalmente, as pesquisas qualitativas. Os grupos analisaram programas de TV de Dilma e de Serra em vários Estados do País.

O foco é a classe C.

Homem e a ilha

Registrado: o presidente da Comissão de Finanças da Fifa não foi pinçado de um dos cinco grandes países do futebol mundial.

Jeffrey Webb nasceu e vive em paraíso fiscal, dirigindo a Associação de Futebol das Ilhas Cayman.

Na frente

Leonardo Boff tem pavor de avião e se desdobrou para participar da Convenção do PV conseguindo só um aperto de mão da amiga Marina. Ele e outros convidados serão recompensados. A candidata vai ligar para todos e agradecer.

Maria Olympia França e Eliane Robert Moraes debatem amanhã na Cinemateca.

Marina Perez Simão, radicada em Paris, abre mostra hoje na Galeria Mendes Wood.

Tem degustação de vinhos da África do Sul segunda, no Baby Beef Rubaiyat.

Cruzes. Será que o Twitter vai ficar "over capacity" durante a Copa inteeeeeiiiiira?

Tipo importação

O desfile da Triton com Paris Hilton atrasou mais de duas horas, anteontem. Enquanto a socialite posava para fotos, as modelos que dividiriam a passarela com ela esperavam emburradas no backstage. Fabiana Mayer, que desfilou logo atrás da americana, disse: "Ela não quis ensaiar com ninguém. Mas foi simpática, chegou e deu "oi" para todas". Rodeada por assessores, Paris conversou com a coluna.

O que achou de ter sido considerada sexy demais para comercial de cerveja brasileira?

Ridículo. Eu já vi comerciais muito mais sensuais no Brasil e no mundo. Achei bobo, pois o filme não foi provocativo. O povo aqui é conhecido por sua sensualidade. As mulheres, as mais bonitas. Nunca serei tão sexy assim.

Por que quis desfilar na SPFW?

Achei a oportunidade maravilhosa. Vim há sete anos e acho que será incrível desfilar novamente. Adoro fazer o que eu faço.

O tema desta SPFW é "curtir a vida". Como aproveita a sua?

A gente só vive uma vez e tem que se esforçar para aproveitá-la de verdade. Um bom desfile, uma boa festa...

Qual é a melhor e a pior coisa de ser rica?

A melhor é que você pode fazer a diferença na vida dos outros. A pior é que as pessoas acham que você é bobinha só porque tem grana.

Seu cabelo parece diferente hoje. É real?

Hmmm...(risos). Fiz esse cabelão para o evento de hoje.

Como está a vida de solteira?

(Assessores interrompem dizendo que ela não responderá.) E ela deixa escapar: eu aaaamo minha vidaaaaaa.

D.BERGAMASCO e M. NEUSTEIN

Tipo exportação

Alice Braga tem uma missão: perseguir Anthony Hopkins pelas ruas de Budapeste. É para o longa O Rito, produção americana em que a atriz vive jornalista obrigada a desvendar mistérios sobre um padre exorcista. Ela recebeu a coluna no backstage da Cori, na SPFW, anteontem.

Como vai ser o filme O Rito?

Tem direção de Michael Hoffman e não chega a ser terror. Mas é um bom suspense.

Qual é a relação da sua personagem com a de Hopkins?

Ela é uma jornalista que tem que segui-lo para escrever sobre ele, um padre exorcista. Olha, quer dizer que está sendo uma honra filmar com ele. Nós já convivemos um pouco, fizemos uma cena rápida. Mas teremos um bloco de cenas maiores no final das filmagens, que terminam dia 24 de julho. Hopkins é simplesmente maravilhoso, me inspira demais.

Ele pergunta sobre o Brasil?

Pergunta, ele adora o Brasil. A mulher dele é descendente de colombianos, bem latina.

Você apresenta o Superbonita, do GNT, e agora estreia em campanha de moda. Você se considera um modelo de beleza?

Eu sou mais natural, gosto dessa coisa pé no chão. Não quero estar o tempo todo maquiada. Ainda não me pediram para colocar botox, por exemplo, mas acho que jamais faria mudanças assim na minha vida. É como se te pedissem para fazer uma tatuagem. Tem um limite para mim. Cresci jogando bola, subindo em árvore. Isso tudo foi importante até para eu ter esse meu jeito mais natural, mais simples.

DÉBORA BERGAMASCO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.