Direto da fonte

Direitos revistos

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2010 | 00h00

Com seu projeto parado há tempos na Casa Civil, Juca Ferreira dá a largada, segunda, no movimento pela flexibilização da lei de direitos autorais. Quer alterar artigos do texto atual, pelo qual a obra de um autor só cai em domínio público após 60 anos de sua morte. Há outros problemas além desse, dirá o ministro em simpósio sobre acervos digitais, em São Paulo. Por exemplo: obra nenhuma pode ser sequer xerocada, mesmo que seja exemplar único, importante, e comido por traças em alguma biblioteca.

Como bom exemplo, ele citará a decisão da família de Vinicius de Moraes. A partir desta segunda, toda a obra do poetinha cairá em domínio público no site do Projeto Brasilianas, da USP. O que, na lei atual, só aconteceria daqui há 30 anos.

Direitos 2

Artistas e produtores adversários de Juca prometem barulho. Criticam os riscos de "estatização dos direitos autorais e do sistema de arrecadação".

Compra ou vende

Na Europa, dá-se como certa a compra da Vivo pela Telefonica. No entanto, pelo que se pesquisou, é muito mais provável a compra da Telefonica pela Vivo.

FGVerde

Paulo Sandroni, economista veterano da FGV, acaba de aceitar convocação do PV.

Vai ser o coordenador do programa de Marina Silva.

Curinga

Na busca de explicações para a troca de Paulo Markun por João Sayad, no comando da TV Cultura, a coluna ouviu consideração de peso: o bom trânsito do novo indicado em meios financeiros. Fator decisivo para o orçamento de uma atividade pública que depende de altos apoios privados.

Vai, não vai

Thobias da Vai-Vai não é mais presidente da escola. "Minha diretoria foi contra, nem pude concorrer", disse. O sucessor? Darly Silva.

Resistência baixa

Yamandu Costa, de volta do Canadá, trouxe consigo "bagagem" incômoda: uma pequena lesão nos lábios, provocada pelo ar seco de lá. O que o deixou tímido na hora das fotos no show do Sesi.

Hora de subir

A julgar pelos dados macroeconômicos apresentados ontem por Henrique Meirelles, em sua palestra no Lide, em Comandatuba, os juros vão subir no mínimo 0,75 ponto porcentual na reunião do Copom da semana que vem.

O crescimento econômico é, inquestionavelmente, firme e forte. Tudo para evitar a inflação.

Hora de subir 2

Michel Temer, também convidado do Lide e provável vice de Dilma Rousseff, reconheceu em sua fala, no encontro, que Meirelles foi o indutor do crescimento do Brasil - que Temer batizou de "inafastável".

Seja lá o que isso for, desejou ao presidente do BC que seja bem-sucedido, agora e depois.

Reforço de caixa

Muito emocionada, e com a ajuda de João Doria Junior, Viviane Senna arrecadou, ontem, mais R$ 1,8 milhão para o Instituto Ayrton Senna.

Fase jóia

Eliana Tranchesi, que nunca se aventurou, antes, no ramo de joias, fez parceria com a Amsterdam Sauer: criou coleção limitada com corações como marca registrada.

Com esmeraldas, rubis e diamantes - guardados por Daniel Sauer. Lançamento, em almoço na casa de Eliana. Quarta.

Na frente

Jazz Sinfônica e Fabiana Cozza fazem concerto em homenagem ao centenário dos mestres Noel Rosa e Adoniran Barbosa. Hoje, no Auditório Ibirapuera.

O fotógrafo Sérgio Guerra lança o livro Hereros - Angola. Terça-feira, na livraria Cultura da Villa Daslu.

As ameaças à liberdade de imprensa serão debatidas no Rio por Hernán Verdaguer, de El Clarín, Guillermo Zuloaga, da Globovisión, e Carl Bernstein, ex-Washington Post - entre outros. Todos convidados do seminário Liberdade de Expressão, organizado pela Escola de Magistratura. Dia 3 de maio.

Paulo Eduardo Nogueira lança Paulo Francis - Polemista Profissional, com ensaio fotográfico de Bob Wolfenson. Na Livraria da Vila da Fradique Coutinho. Quarta.

Bruno Barreto faz palestra sobre os bastidores do cinema brasileiro e seu trabalho no longa Dona Flor e Seus Maridos. Na Escola São Paulo, na quinta-feira.

Gustavo Lanfranchi dá, em maio, o curso Visual da Ópera. Inscrições estão abertas até amanhã. No site da SP Escola de Teatro. Grátis.

Gerald Thomas acabou desistindo. Não vai integrar a curadoria do Centro Cultural Waly Salomão, projeto do AfroReggae, a ser inaugurado dia 5, no Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.