Direto da fonte

Realidade real

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2010 | 00h00

Miguel Jorge anda se espantando com a volatilidade das previsões sobre o resultado da balança comercial brasileira. Mesmo quando são favor. "Não sei de onde tiram tantos números. Foi só o minério aumentar de preço que os analistas, que sabe-se-lá apostavam em US$ 5 bilhões de saldo em 2010, passaram a prever US$ 15 bilhões".

Na verdade, a preocupação de Lula, hoje, são importantes, dois déficits da balança: o resultante da importação de autopeças pesando US$ 5 bilhões, e o dos eletroeletrônicos custando US$ 20 bilhões por ano. "São problemas sérios que temos que resolver logo".

Como? Aumentando impostos na importação, por exemplo.

Canções de papel

Roberto Carlos abre o baú. Manda para sua exposição na Oca manuscritos originais de suas composições. Com direito até a música que ele rabiscou em papel de pão.

O Cadillac vermelho, reformado por Emerson Fittipaldi? Pretende estacioná-lo por lá ainda esta semana.

Ponte aérea

Fabio Giambiagi e Márcio Garcia fazem nova tentativa para lançar seu livro Risco e Regulação, no Espaço Cultural BM&F Bovespa.

Semana passada, não conseguiram voar do Rio para São Paulo e remarcaram o encontro para amanhã.

Sem fumaça

Kassab leva adiante os planos para introduzir carros elétricos na cidade. Assina hoje, em almoço no Clube Monte Líbano, protocolo de intenções com Carlos Ghosn, presidente mundial do grupo Renault/Nissan.

Começam pela criação de uma comissão que estudará

a viabilidade da chamada

"política de emissão zero"

de poluentes.

Boto na fita

Juca Ferreira criou plano para "incluir" a Amazônia Legal no mapa cultural do País. Montou estratégia para ter pelo menos um projeto em cada uma dos 800 cidades da região.

E começa a aceitar até inscrições orais, de indígenas e ribeirinhos entre 17 e 29 anos.

Palco tucano

A confusão no evento do PSDB de sábado foi tão grande que não foi possível passar o vídeo sobre a vida de Serra. O "documentário", montado pelo marqueteiro Luiz Gonzalez, ia ao ar assim que ele terminasse de discursar.

No entanto, quando o tucano terminou de falar, o palco foi invadido, e ...fim.

Palco 2

Depois da convenção em Brasília, Serra foi visto à noite no Fasano, em São Paulo. Chegou às 23 horas, sentando-se à mesa onde estavam Lu e Ronaldo Cesar Coelho, Sonia e Andrea Matarazzo, mais o genro Alex Bourgeois.

Ali ficaram até altas horas.

Palco 3

E os tucanos paulistas já acertam a festa para Alckmin. O pré-lançamento da candidatura está previsto para dia 29.

Noite de arte

Jorge Gerdau recepcionou, semana passada, parte do PIB cultural do País, em sua casa. Logo depois da abertura, na Fundação Iberê Camargo, da mostra de León Ferrari e Mira Schendel.

Que acaba de sair do MoMA.

Cor de morango

Julianne Moore escreveu e Fernanda Torres traduziu.

O livro infantil Morango Sardento, inspirado na infância da atriz, sai no Brasil pela Cosac Naify.

"Somos um espelho"

James Cameron perdeu seu bilhete de volta para os EUA. No Brasil há duas semanas, o simpático diretor de Avatar já plantou pau-brasil, gritou seguidas vezes contra a construção da usina de Belo Monte, foi a fórum de sustentabilidade e encontrou-se domingo, em SP, com Marina Silva.

"Ela é inteligente", limitou-se a dizer à coluna. Integrante novato do bloco contrário à construção de Belo Monte, o diretor justifica: "Desde Avatar tenho recebido pedidos de ONGs do mundo inteiro. Faço uma filtragem e abraço as causas nas quais acredito."

Mas a festa no Brasil ainda não acabou. A comitiva passou de SP para Brasília e, dali, ruma para Altamira, no Pará. De onde decola amanhã rumo a Washington, onde tem encontro com Obama.

Foi depois da conversa com Marina que o diretor teve finalmente seu "momento business", em jantar na casa de Nizan Guanaes. Ali, cordão de cipó no pescoço - presente de um índio xavante - o cineasta assistiu a versões de seu longa em DVD e blue-ray.

Entre uma centena de convidados, os cerca de dez índios da festa eram recebidos aos abraços por James. Com cocar e corpo pintado eles faziam fila para convidá-lo a visitar as aldeias. Sorridente, dizia sim a todos. Mas, e os indígenas americanos? "Se alguém tivesse feito algo nos EUA como estamos fazendo agora, eles não teriam sido dizimados. Nós somos o espelho de um futuro que pode ser evitado", disse.

Sigourney Weaver, estrela do filme, foi mais econômica nas palavras. Quando se rendeu a um papo com um índio do Rio Negro, foi surpreendida. Ele desatou a falar sobre suas experiências como... ator. Foi quando a estrela, queixando-se de dor de cabeça, decidiu deixar a festa.

Na frente

André Esteves, do Pactual, comemora. Foi eleito pelo LIDE o Empreendedor do Ano. Recebe troféu no Fórum Empresarial de Comandatuba, que começa dia 21.

Depois de seis anos, Thereza Collor lança o livro Alagoas Um Olhar. Amanhã, no Museu da Casa Brasileira.

O espetáculo de dança Baseado em Fatos Reais, de Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira, estreia amanhã, no Sesc Consolação.

Raquel Arnaud abre, sábado, a mostra Cor, Corte & Ferrugem, de Alberto Martins.

Zico desembarca , hoje, no Museu do Futebol. Lança seu DVD, Zico na Rede.

Mallu Magalhães, Lobão e Pitty trocam microfones por carrapetas na festa do ObaOba. Dia 28, no LionsClub.

Conhecido banqueiro foi parar no Sírio Libanês na madrugada de domingo, após festa black-tie. Sua pressão havia baixado e os braços estavam dormentes. Examina de cá, de lá e descobrem: tudo fruto de um colarinho ultra-apertado...

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.