Direto da fonte

Banda incerta

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2010 | 00h00

A discussão sobre a reativação da Telebrás tem ocupado espaço. Mas, pelo que se apurou, são poucas as chances de o assunto avançar ainda na gestão Lula. Entre os motivos, um crucial: o custo.

Para levar a banda larga a 90 milhões de brasileiros, como se pretende, seriam necessários, nas contas do próprio governo, R$ 75 bilhões. E ninguém sabe de onde esse dinheiro poderia sair.

Banda 2

Parte desses recursos, segundo o programa montado, seria para o cabeamento de fibra ótica necessário na operação da banda larga. A Telebrás só tem 30 mil km de cabeamento. E a Oi, por exemplo, tem 200 mil.

O que significaria isso? Que, em lugar de investir em infraestrutura aliando-se à iniciativa privada, a estatal estaria gastando para construir o que já existe.

Cinema livre

Determinados a ajudar o iraniano Jafar Panahi, preso por Ahmadinejad por delito de opinião, cineastas do mundo inteiro assinaram petição por sua libertação. E se programaram para exibir seus filmes quinta-feira.

Leon Cakoff apresenta três longas em São Paulo. No Unibanco Arteplex /Frei Caneca.

Brazil

O New Museum, de Nova York, vai ficar verde e amarelo. Além de mostra da brasileira Rivane Neuenschwander em junho, terá Bebel Gilberto em festa beneficente no dia 22,com presença de Alice Braga e Francisco Costa, da CK.

Ela sempre se interessou pelo Terceiro Setor. Trabalhou com moradores de rua e já chegou a colocar a mão na massa contra a fome. Luciana Arcangeli se volta, agora, para a assistência infantil. Além de doar terreno na região de São Bernardo do Campo para a construção de uma creche, ela se propõe a tocar o dia a dia. Madrinha do projeto Extreme Makeover no Brasil - pilotado por sua cunhada Cristiana Arcangeli - a ex-quituteira terá que correr. A meta é colocar a creche de pé no prazo de dois meses. Por que crianças? "Conheço as necessidades, sou mãe de 4 filhos".

Responsabilidade social

A Associação do Amigo do Menor faz festa hoje na Vila Olímpica Mario Covas.

Vai se chamar Leide Moreira a lei - projeto de Mara Gabrilli- que proíbe casas de shows de cobrar mais de uma entrada para pessoas como a advogada Leide Moreira, portadora de Esclerose Lateral Amiotrófica.

O segundo fascículo da cartilha contra o Câncer de Mama, desenvolvido pelo Instituto Arte de Viver Bem, sai do forno na terça. O projeto conta com a adesão da Secretaria da Saúde do Estado e de Mônica Serra.

Para comemorar o Dia das Mães, a marca 7 For All Mankind abre, em maio, uma exposição de fotos com mães e filhos clicados por André Schiliró. Os recursos serão destinados ao Graac.

A Casa do Zezinho promove sábado feijoada beneficente. Para comemorar o aniversário da presidente da instituição, a Tia Dag.

Para ajudar o Chile, a Los Dos lança linha de camisetas com as cores da bandeira daquele país. O dinheiro vai para a instituição Desafio: Levantemos Chile.

Os restaurantes Zucco, Bistrô Charlô, Rodeio, Empório Ravioli, Nico Pasta & Basta, Ravioli Cucina Casalinga e Sallvattore vão destinar R$1 de cada sobremesa às ações sociais da Associação Aliança de Misericórdia.

Para marcar o Yom Hashoá - Dia do Holocausto e do Heroísmo, a Federação Israelita paulista faz ato em memória dos judeus mortos durante o Holocausto. Hoje, no Teatro da Hebraica.

Detalhes nem tão pequenos...

1. A dieta natureba dá o sinal: a moda da magreza toma conta, também, dos desfiles masculinos.

2. Coloridas, as frutas alegram os camarins em noite de estreia.

3. Tudo devidamente no lugar, antes da comemoração da Pessach, a páscoa judaica.

4. Colarinho engomado, gra- vata à espera de um nó: é claro que a festa vai ser fina.

5. Na pele, o clássico cantado por Marylin Monroe: "Diamonds are the girl"s best friends..."

6.A dedicatória sai de mãos delicadas direto para amigos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.