Dinamarca nega obras ao Guggenheim de Nova York

O altar barroco brasileiro vai, masas telas de Albert Eckhout não. É essa a posição oficial doMuseu Nacional da Dinamarca em relação a pedido de empréstimosde obras feito pela mostra Brazil - Body and Soul, que seráaberta no dia 19 no Museu Guggenheim de Nova York.Segundo informou Line Thor, do museu dinamarquês, ainstituição desistiu de enviar aos Estados Unidos 13 pinturas deEckhout e outras obras referentes ao Brasil. De acordo com Thor,a política do museu é não emprestar obras que corram qualquerrisco de danos, mesmo que pequeno.O Guggenheim Museum não confirmou a negativa do museudinamarquês. Edward J. Sullivan, professor de História da Arte daNew York University e curador convidado da mostra Body andSoul, disse na semana passada que o museu ainda mantinha aesperança de que a Dinamarca enviasse as obras de Frans Postpara a exposição.Segundo a BrasilConnects, instituição que estápromovendo a mostra, o atraso de 15 dias no embarque do altarbarroco de Olinda custou caro à organização da mostra. Oprejuízo foi estimado em US$ 440 mil (cerca de R$ 1,2 milhão)pelo presidente da BrasilConnects, o banqueiro Edemar CidFerreira."A gente compreende, faz parte do exercício dademocracia, mas é ruim, porque essa exposição procura justamenteresgatar a imagem do Brasil no Exterior", disse Ferreira. Oaltar-mor foi embarcado na semana passada para Nova York. Apedido da Advocacia Geral da União, o vice-presidente doTribunal Regional Federal de Pernambuco, Ubaldo AtaídeCavalcante, suspendeu liminar que impedia a ida da peça aosEstados Unidos.Segundo Ferreira, nenhum colecionador brasileirodesistiu de enviar peças a Nova York. Mas o banqueiro demonstrouuma certa contrariedade com a sucessão de problemas queenfrentou para montar a mostra e não demonstra entusiasmo com aseqüência da exposição Body and Soul, em Bilbao (Espanha). "Posso desistir de Bilbao, mas primeiro quero ver comoa exposição vai ser avaliada em Nova York", disse.Segundo LineThor, do Museu Nacional da Dinamarca, as telas de Albert Eckhoutserão enviadas em 2002 para integrar a mostra Body and Soul,mas somente para a segunda etapa da exposição, em Bilbao,Espanha.O altar barroco pernambucano só foi enviado aos EstadosUnidos após intervenção da presidência da República. Em mensagemao diretor da Fundação Guggenheim, Thomas Krens, o presidenteFernando Henrique Cardoso se referiu à mostra como algo que"vai certamente representar um marco na promoção da artebrasileira no exterior". Mas ele não intercedeu diretamente nasuspensão da liminar em Pernambuco. O Guggenheim foi todo pintado de preto para receber aobra, numa concessão museológica inédita na história dainstituição, segundo Pedro Paulo Sena Madureira, daBrasilConnects.

Agencia Estado,

08 de outubro de 2001 | 15h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.