Dinamarca celebra bicentenário de Hans Andersen

O bicentenário de nascimento do autor de clássicos da literatura infantil como O Patinho Feio, começa a ser comemorado em seu país. Hoje, o ator britânico Roger Moore e o cantor norte-americano Harry Belafonte percorreram o mesmo caminho de cerca de dez metros que o escritor fazia entre sua casa e o trabalho, já que ambos são os embaixadores das festividades dos 200 anos do nascimento de Hans Christian Andersen. O percurso, denominado "Nas Pegadas de Hans Christian Andersen", foi inaugurado hoje, com as marcas dos passos do escritor que calçava sapatos número 44.Nascido em 1805 em Odense, a 170 quilômetros a oeste de Copenhague, Andersen era filho de um sapateiro e uma empregada doméstica. Como na sua história O Patinho Feio, Andersen saiu da pobreza e alcançou a fama. Morreu em 1875 em Copenhague.O autor escreveu 212 popularíssimos contos de fadas, mas também romances, peças, crônicas de viagens, quatro autobiografias, seis biografias, 1.023 poemas e dezenas de artigos e cartas.As celebrações começam oficialmente na sexta-feira, com uma peça no Teatro Royal de Copenhegue e terminam no domingo. No sábado, membros da realeza e outras celebridades tomarão um trem especial para Odense, cidade natal de Andersen, onde o crítico literário Harold Bloom vai receber o prêmio Hans Christian Andersen em cerimônia especial. Hans Christian Andersen, autor de A Pequena Sereia e O Patinho Feio entre outros clássicos que ainda têm ampla leitura, será lembrado no dia 2 de abril, data de seu nascimento, com uma grande comemoração. A lista de participantes inclui celebridades como as cantoras Tina Turner e Olivia Newton-John, o jogador de basquete chinês Yao Ming, a romancista chilena Isabel Allende e várias personalidades da realeza européia.Na data do aniversário será transmitido pela TV o show Era uma vez, para um público de um milhão de pessoas, em todo o mundo. Apresentado pela atriz dinamarquesa Connie Nielsen, o show incluirá apresentações de Tina Turner, Olivia Newton John, do cantor pop Daniel Bedingfield, do músico francês Jean-Michel Jarre e da cantora norte-americana de ópera Renee Fleming, entre otros. Na platéia estarão os membros da família real dinamarquesa, funcionários do governo e "embaixadores de Andersen" nacionais e estrangeiros que já trabalharam para promover sua obra no mundo, como Isabel Allende, a roquera alemã Nina Hagen, a atleta australiana Cathy Freeman e o cantor norte-americano Harry Belafonte, além de figuras da realeza européia. O dinheiro arrecadado vai para a fundação Hans Christian Andersen que busca eliminar o analfabetismo juvenil.O show representa o pontapé inicial de mais de 3 mil eventos em todo o mundo que vão se estender pelo ano todo, desde a inauguração de estátuas do autor no Vietnã, até concursos de contos de fadas nas escolas de Nova York, passando por teatro de bonecos na Austrália e novas traduções de seus escritos em espanhol, alemão, russo, japonês e árabe.Desde o início do ano, a Dinamarca vive a "mania Andersen".A imagem do escritor se multiplica em moedas e selos, rótulos de cerveja, pratos, roupas de bebê, acessórios e cartazes que anunciam o programa comemorativo.Mas há quem critique tanta festa. John de Mylius, professor adjunto do Centro Hans Christian Andersen na Universidade do Sul da Dinamarca, em Odense, cidade natal do autor, deplorou a "comercialização" que "desvia a atenção do Andersen poeta", disse. Para Mylius, "a questão é quantos turistas virão para a Dinamarca depois disso".Mas, o aspecto literário não foi totalmente ignorado. O Politiken, um jornal importante, publica desde 1.º de janeiro passagens dos diários de Andersen. O ano passado, uma grande editora reeditou suas obras completas, uma coleção de 18 volumes.O governo dinamarquês e patrocinadores locais arrecadaram um total de 230 milhões de coroas (US$ 41 milhões) para financiar as celebrações do bicentenário.O governo dinamarquês as qualifica de "oportunidade única de financiar o turismo cultural dinamarquês".Uma versão musical de A Pequena Sereia será presentada em uma barca em Copenhague em agosto, numa co-autoria entre o compositor norte-americano Stephen Schwartz com o astro chinês do rock CuiJian, que conta a história de um Andersen que emerge do mundo dos contos de fadas criados por ele.Uma série de moedas de 10 coroas com imagem alusiva ao O Patinho Feio foram cunhadas neste mês e o correio emitiu selos comemorativos. Em Odense, a cervejaria local produziu uma cerveja especial, H.C. Andersen 1805 e uma loja de departamentos de Copenhague vende um jogo de toalhas e guardanapos com figuras dos contos.

Agencia Estado,

31 de março de 2005 | 19h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.