Didi promete não fazer mais piadas com gays

O humorista Renato Aragão fumou o cachimbo da paz com os gays baianos. Ele telefonou para o antropólogo paulista Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), ontem, para pedir desculpas e informarque não vai mais fazer brincadeiras grosseiras com os homossexuais no seu programa A Turma do Didi, exibido aos domingospela Rede Globo. "Vou limpar o personagem Didi de qualquer preconceito contra os homossexuais", garantiu Aragão a Mottautorizando a divulgação da conversa.Há algumas semanas as entidades que congregam gays em todo o País haviam iniciado uma campanha contra Didi, querendoinclusive que fosse cassado o seu título de Embaixador do Unicef devida a supostamente estar propagando idéia "homofóbicas".Na visão do presidente do GGB Marcelo Cerqueira "há anos que Didi divulga o estereótipo do gay efeminado, fraco, medroso eridículo," e por essa razão "não podíamos mais suportar o efeito perverso dos trejeitos e ridicularias do Didi Trapalhão, usandoexpressões vulgares ("boiola") destruindo qualquer possibilidade de auto-estima e afirmação dos jovens homossexuais, que facea tanta humilhação, cheios de vergonha, se viam obrigados a esconder e negar sua homossexualidade." Segundo o GGB, dezintelectuais homossexuais brasileiros enviaram cartas ao Unicef exigindo posicionamento mais explícito contra a homofobia,"mas a Oficial de Comunicação do Unifec no Brasil, Rachel Mello, não cumpriu a promessa de posicionar-se dentro de umasemana", disse a entidade. A iniciativa de Renato Aragão encerrou aparentemente a briga. O "trapalhão" disse não terpreconceito contra gays assinalando que muitos dos seus colegas de trabalho são homossexuais. "Sou um palhaço e às vezes exagero um pouco e sei que magôo as pessoas mas vou mudar 100%", prometeu.As pressões do GGB tem surtido efeito quando se trata de personalidades. "Também o Filipão Scolari me telefonou, nasvésperas da última copa do mundo, negando ter declarado que não aceitaria jogador homossexual em sua equipe. Dito e feito:nunca mais pisou na bola contra os gays!", lembrou Luiz Mott, informando que os próximos alvos dos gays são os humoristasJoão Kleber, Casseta e Planeta, Tom Cavalcanti e Chico Anízio que também fariam piadas preconceituosas contrahomossexuais. Depois da retratação de Didi, o "trapalhão" é sério candidato a ganhar o Troféu Triângulo Rosa, uma espécie de Oscar Gay como qual o GGB homenageia as personalidades que se manifestaram favoravelmente aos homossexuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.