Dicionário de latim moderno vira sucesso de vendas

O latim, por muitos considerado uma língua morta, está bem viva. Um dicionário de latim moderno publicado pelo Vaticano tornou-se um inesperado sucesso de vendas. O objetivo do dicionário é manter atual a língua de Júlio César e, para isso, inclui objetos que não existiam na época romana, tais como máquinas de lavar roupa, discoteca e tacos de golfe.A Livraria Editrice Vaticana colocou no mercado 500 exemplares do dicionário, editado em dois tomos, ao preço de 100 euros (US$ 115). "No entanto, há maior interesse por aí", disse o padre Claudio Rossini, diretor da editora.Os dois volumes contém cerca de 15 mil palavras latinas modernizadas, muitas delas compostas de vários termos do latim clássico. Uma comissão editorial elabora agora um novo volume, a fim de acrescentar termos da cibernética e dos meios de comunicação. O novo volume poderia sair dentro de dois ou três anos.O dicionário é financiado pela Fundação Latina do Vaticano, que foi criada pelo papa Paulo VI na década de 1970, para manter o uso do latim na igreja católica, um uso que vem declinando notavelmente desde que a Santa Sé permitiu que a missa fosse celebrada no idioma local. O idioma oficial do Vaticano é o latim, apesar de sua língua habitual de trabalho ser o italiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.