Diana suspeitava de grampo de Al Fayed no iate, diz irmã

A princesa Diana achou que Mohamed alFayed a espionava em seu derradeiro passeio no iate dele, dissea irmã dela na segunda-feira no inquérito que apura as causasda morte de Diana. Diana e Dodi al Fayed, filho de Mohamed, morreram numacidente automobilístico num túnel de Paris em agosto de 1997,quando eram perseguidos por paparazzi ansiosos para conseguirclicar a mulher mais fotografada do mundo. Dias apenas antes de morrer, Diana telefonou a sua irmã,Sarah, do iate Jonikal, no qual passava férias no Mediterrâneo. Indagada pelo advogado Ian Burnett se Diana falara dapossibilidade de ser grampeada, Sarah McCorquodale respondeu:"Ela achava que o iate estava sendo grampeado por Al Fayed,pai". Mohamed al Fayed alega que Dodi e Diana foram mortos pelosserviços de segurança britânicos sob ordens do príncipe Philip,marido da rainha Elizabeth. Ele acredita que a razão seria que a família real nãoqueria que a mãe do futuro rei tivesse um filho de Dodi. AlFayed alega ainda que o corpo de Diana foi embalsamado paraencobrir os indícios de que ela estaria grávida. Mas McCorquodale disse ter tido a impressão de que oromance veranil de Diana com Dodi estava chegando ao fim. "Acho que o relacionamento não iria durar muito mais",disse ela ao tribunal, acrescentando que não foi mencionada apossibilidade de Diana estar grávida ou de um possível noivadocom Dodi. Em vez disso, ela achou que sua irmã poderia ter se casadocom o cirurgião cardíaco Hasnat Khan. "Acho que ela não acreditava que a relação com ele (Khan)tivesse terminado, ou que esperava que não tivesse terminado",disse McCorquodale. Após a morte de Diana, McCorquodale e sua mãe, FrancesShand Kydd, passaram vários dias destruindo papéisconfidenciais na residência de Diana, no Palácio de Kensington,em Londres. "Nada de histórico foi destruído", disse McCorquodale, queafirmou nunca ter visto cartas do príncipe Philip a Diana. Ela disse que concordou com sua mãe em destruir qualquercoisa que pudesse futuramente causar sofrimento aos filhos deDiana, os príncipes William e Harry.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.