Diana não queria Charles como rei, diz advogada em inquérito

A princesa Diana achava que seu marido,o príncipe Charles, não deveria tornar-se rei e que a coroadeveria saltar uma geração, disse uma de suas advogadas naterça-feira durante o inquérito que apura as causas de suamorte. Diana, morta em um acidente de carro em Paris, em agosto de1997, com seu namorado Dodi al Fayed, também disserepetidamente às advogadas Maggie Rae e Sandra Davis que temiapor sua vida. "Ela acreditava no que dizia (sobre sua vida correrperigo), mas eu achava que ela estava sendo fantasiosa", disseRae ao tribunal. As duas advogadas acreditavam que os temores de Diana nãomereciam crédito, mas a polícia foi oficialmente informadasobre as suspeitas que a princesa expressou. Rae pintou um retrato tristonho da vida da princesa. Glamourosa e superfotografada em público, Diana levava umavida privada solitária no Palácio de Kensington, em Londres,esquentando suas próprias refeições em um forno de microondas. "Eu achei que ela vivia em um ambiente estranho", disseRae. "Vivia em grande solidão." A advogada disse que Diana queria que seu filho William, enão Charles, fosse o próximo a assumir a direção da Casa deWindsor. Para ela, essa seria "a solução mais feliz para ofuturo da monarquia". O pai de Dodi al Fayed, Mohamed al Fayed, alega que seufilho e Diana foram mortos pelos serviços britânicos desegurança, a mando do príncipe Philip, marido da rainhaElizabeth e ex-sogro de Diana. Rae, que guardou cartas escritas a Diana pela rainhaElizabeth e o príncipe Philip, não acredita nessa teoriaconspiratória. "Pareceu-me que todas as cartas foram escritas mais comtristeza que com raiva, e, realmente, algumas delas eramcomoventes", disse ela ao tribunal, acrescentando que o tom dascartas "certamente não era hostil".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.