Diana e Dodi foram alvos de uma conspiração, diz testemunha

Mohamed al Fayed estava convencido deque a princesa Diana e seu filho Dodi foram vítimas de umaconspiração de assassinato, desde o momento em que soube queeles tinham morrido num acidente automobilístico em Paris. Adeclaração foi feita na quinta-feira, no inquérito que apura ascausas da morte deles. O proprietário da loja de luxo Harrods alega que o casalfoi morto pelos serviços de segurança britânicos a mando dopríncipe Philip, marido da rainha Elizabeth e ex-sogro deDiana. Al Fayed diz que Diana estava grávida de Dodi e que o casalplanejava se casar. Ele afirma que a família real não suportavaa idéia de ver Diana se casando com um muçulmano. A teoria conspiratória ganhou apoio no tribunal, naquinta-feira, com o depoimento no inquérito na Alta Corte deLondres de Franz Klein, presidente do Hotel Ritz, de Paris,onde Dodi e Diana passaram suas últimas horas de vida em 1997. Klein, que se encontrava de férias no sul da França nomomento da morte do casal, deu pelo telefone a notícia da mortede Dodi a Mohamed al Fayed, cuja reação imediata foi dizer aKlein: "Eu sei mais do que você sabe, ou pensa que sabe." "Muito calmo, o sr. Fayed me disse: 'Isso não é umacidente. É uma conspiração ou um assassinato planejado"',disse Klein ao tribunal. Klein também falou que Dodi lhe tinha dito que ele e Dianaiam ficar noivos e iam viver na Villa Windsor, a mansão ondeEdward 8o e a divorciada Wallis Simpson viveram após aabdicação do monarca. Mohamed al Fayed tinha comprado o imóvelem Paris. "Ele não mencionou a princesa por seu nome pelo telefone,mas me disse que ia fixar residência em Paris. Ele me disse queia se mudar para a Villa Windsor com sua namorada e também,falando sempre em inglês, que eles iam se casar," disse Klein. As leis britânicas exigem que, nos casos de morte nãonatural, haja um inquérito para apurar as causas da morte. Previsto para durar até seis meses e custar até 20 milhõesde dólares, o inquérito sobre a morte de Diana e Dodi foiaberto após o encerramento das investigações das políciasbritânica e francesa. As duas polícias concluíram que Diana e Dodi morreramporque seu motorista, Henri Paul, estava embriagado e conduziuo veículo deles com velocidade excessiva. Indagado se pensava que Henri Paul tinha um problema dealcoolismo, Klein disse ao tribunal: "De maneira alguma."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.