Dialogando com o cinema

No clássico de terror de 1942 Sangue de Pantera (The Cat People), de Jacques Tourneur, uma mulher sérvia que se casa nos EUA vive assombrada e culpada pela possível realização de uma maldição diabólica: transformar-se em pantera quando excitada. Werner Spies menciona em seu texto no catálogo da mostra uma relação entre o hibridismo homem/animal que povoa as cenas de Uma Semana de Bondade e a obra de Tourneur.

Camila Molina, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2010 | 00h00

Entretanto, os diálogos entre Ernst e o cinema não param por aí, como Spies e Jürgen Pech destrincham no catálogo (editado em versão bilíngue espanhol/inglês). Uma conexão constante e natural das cenas surrealistas do artista, cheias de "sonhos carregados de angústia e desolação" se faz com obras diversas de diretores de todos os tempos, desde Luis Buñuel, passando ainda por David Lynch, Harun Farocki e o grupo Monty Python.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.