Dia da Mulher é comemorado antes da hora

De Gal Costa a Clarice Lispector, de Constanza Pascolato a Maria Bethânia. Todos os tipos de mulheres merecem homenagem no Dia Internacional da Mulher, 8 de março. E, para elas, as opções são muitas e começam nessa quarta-feira. Na rádio Scalla FM (102,1), por exemplo, o Essencialmente Mulher será apresentado de hora em hora, a partir das 7h30. O programa valoriza a voz feminina, mostrando os timbres de cantoras como Gal, Silvinha Telles, Maysa, Marilyn Monroe e até Rita Pavone.Outro destaque do dia é a mostra Bravo! Mulher! República, em cartaz no Sesc Itaquera (Av. Fernando Alves de Mattos, 1.000, tel. 6521-7272) até o dia 31. A exposição reúne 31 imagens de várias mulheres clicadas por fotógrafos como Dadá Cardoso, Cristiano Mascaro e Américo Mariano. Nas imagens, as integrantes da cooperativa Mulheres da Rocinha, que desenvolvem um trabalho ligado à moda na maior favela da América Latina, provam que podem dividir o foco com o glamour da consultora de estilo Constanza Pascolato. E Maria Eulina, ex-moradora de rua e atual representante do Movimento dos Sem-Teto, aparece ao lado de escritoras como Lygia Fagundes Telles e Clarice Lispector.A programação cultural do Sesc Itaquera inclui ainda as oficinas e palestras, que serão realizadas até o fim do mês. Merece destaque Mulher e Sociedade, que irá analisar a violência contra a mulher, além de apresentar um breve histórico das conquistas femininas e o significado da escolha do dia 8 de março para comemorar o Dia da Mulher.A solidão feminina, tão comum em grandes metrópoles, ganha destaque na progamação do Sesc Santos (R. Conselheiro Ribas, 136, tel. 13-3227-5959) com Caixa de Pandora. O espetáculo é gratuito para mulheres e será apresentado amanhã, às 20h30. A autora, Beatriz Carolina, se baseou em depoimentos de escritoras como Clarice Lispector e Elisa Lucinda para criar monólogos curtos declamados de dentro de caixas e armários.As Mulheres de Verdi também ganham homenagem na quinta-feira, às 21 horas. Abrindo a temporada deste ano do Teatro Municipal de São Paulo (Praça Ramos de Azevedo, Centro, tel. 222-8698), o espetáculo investiga os mistérios femininos por meio das personagens do compositor italiano. Sob direção de Rubens Velloso, as divas Berenice Barreira, Cláudia Riccitelli, Luiza de Moura, Niza de Castro Tank, Regina Elena Mesquita e Rosana Lamosa apresentam árias das mais famosas óperas de Verdi. Entre elas, La Traviata, Macbeth, Il Trovatore, Ernani, Rigoletto, Aida e Falstaff , que ganham intervenções de cena da Intrépida Trupe e são acompanhadas pela Orquestra Sinfônica Municipal e pelo Coral Lírico Municipal, sob a regência do maestro Mário Zaccaro.O Memorial da América Latina (Av. Lauro Soares de Moura Andrade, 664, tel. 3823-9611) optou por contar um pouco mais sobre o início da trajetória feminina e das conquistas no Brasil e no mundo. Para isso, resgata a história da escritora Nísia Floresta, cuja obra, apesar de ter feito sucesso no País e no exterior no século 19, continua desconhecida do grande público. Nessa quarta, às 17 horas, será aberta a exposição Nísia, Uma Alma Brasileira, que contém fotos, livros e reproduções de jornais. Além de escritora, Nísia foi pioneira na defesa dos direitos da mulher por ter se correspondido com grandes escritores de sua época, ter colaborado com jornais cariocas e até por ter se tornado objeto de crônica de Machado de Assis. Ainda amanhã, às 17 horas, será ministrada a palestra As Escritoras do Século 19, pela professora aposentada Míriam Moreira Leite, do Departamento de História da USP.Que quiser mais agitação pode aproveitar o Projeto Boa Safra, que firmou parceria com a União Cultural Brasil Estados Unidos para realizar encontros culturais mensais no Teatro da União Cultural (Rua Coronel Oscar Porto, 208) .A programação de quinta-feira conta com Vânia Bastos, Zezé de Freitas, Zica Bergami, Filó Machado e o Balet Stagium, que fazem show às 21 horas. Zezé de Freitas divide o palco com a compositora do clássico Lampião de Gás, Zica Bergami, para prestigiar o folclore brasileiro. O compositor, cantor e instrumentista Filó Machado, que já se apresentou com Djavan e Fátima Guedes, é a atração seguinte. Depois, o Balet Stagium traz a coreografia de Décio Otero para a música Qualquer Maneira de Amor Vale Amar, de Milton Nascimento. Encerrando a programação, Vânia Bastos canta canções de seu novo CD, Belas e Feras.E na quinta-feira também é dia de refletir sobre a condição da mulher vítima das formas cotidianas de repressão no Oriente Médio. O filme O Círculo, do diretor iraniano Jafar Panahi, ganha sessão especial com entrada grátis para as mulheres, às 22 horas, na Sala UOL de Cinema (Rua Fradique Coutinho, 361). Os convites devem ser retirados a partir das 15 horas no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.