"Desperate Housewives" pode ter versão brasileira

O sucesso da série americana Desperate Housewives, ao que tudo indica, pode chegar também ao Brasil. O projeto ainda não foi confirmado, mas a Globo estaria trabalhando para criar uma sitcom nos mesmos moldes e que entraria na grade de programação do final de ano. É nessa época que a emissora carioca faz testes de suas novas atrações, como aconteceu com A Diarista e outros programas. Quando estreou no canal pago Sony, a produção ganhou o apelido de No Sex in the City, uma alusão direta ao comportamento assexuado das protagonistas. São todas donas de casa que moram no subúrbio, o extremo oposto das nova-iorquinas solteiras e bem resolvidas de Sex and the City. Desperate Housewives, provou que é possível fazer sucesso também na contramão. O seriado, que teve grande (e inesperada) audiência na primeira temporada, recebeu 15 indicações para o Emmy, o prêmio mais importante da TV americana, que será entregue em setembro. Apesar de concorrer como melhor série de comédia, Desperate Housewives acrescenta segredos e drama ao humor negro com que retrata a vida de quatro donas de casa, amigas e vizinhas na rua que apropriadamente ganhou o nome de Wisteria Lane. O que conduz a trama é o mistério. Na primeira temporada, que começa com o suicídio de Mary Alice Young, a pergunta que todos se fazem é ´por que ela se matou´? A suicida se torna narradora dos acontecimentos e dos conflitos que envolvem suas amigas. Susan Mayer (Teri Hatcher), mãe solteira e divorciada, Lynette Scavo (Felicity Huffman), dona de casa frustrada por abandonar a carreira, Bree Van De Kamp (Marcia Cross), mãe perfeccionista e Gabrielle Solis (Eva Longoria ), ex-modelo que casou por interesse - tentam resolver o mistério. Não podiam faltar a mulher exuberante e exibida, Edie Britt (Nicollette Sheridan); o galã, Mike Delfino; que, além de esconder um segredo, é disputado por Susan e Edie. Ao longo da temporada, que termina com um novo mistério, outras mortes e segredos acontecem para serem desvendados na temporada seguinte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.