Desfiles de Nova York apontam para primavera de cores contidas

A moda da primavera vai parecer umdia chuvoso, se as últimas previsões se confirmarem, com muitocinza, marrom e apenas alguns vislumbres de cor, como o solaparecendo rapidamente num céu nublado. Tons neutros e de terra predominam na moda primavera erefletem um clima de cautela com questões como a economia e omeio ambiente, dizem especialistas na Semana de Moda de NovaYork, onde centenas de estilistas estão exibindo suas coleçõesnovas. Estão ausentes os tons pastéis e as estampas florais eousadas que normalmente acompanham a chegada da primavera. Emlugar disso, as cores fortes aparecem apenas brevemente, comodestaques passageiros. Na coleção de Generra, manchas de cores batizadas de batome chama iluminaram tons neutros de areia, chumbo e giz. Acoleção Y-3, de Yohji Yamamoto, foi quase toda escura, commuito preto, às vezes iluminado com breves toques de vermelho eazul. O cinza, uma cor que não é tradicional para a primavera,foi uma das cores mais populares. Jason Wu pôs na passarela vestidos de chiffon em tons decinza e bege, quase sem cor. Derek Lam misturou cinza e marromnum vestido em dois tons, iluminado por seu brilho acetinado ecorte com movimento. Para Leatrice Eisemann, do Pantone Color Institute, o cinza"é uma cor muito séria, algo que inspira confiança". Tons escuros e de madeira dominaram na coleção de VeraWang. O canadense Jeremy Laing expôs uma "paleta ártica" debrancos leitosos e azuis pálidos, com um pouco de amarelo everde que ele associou à influência do movimento ambientalista. Para Stan Herman, ex-presidente do Conselho de Estilistasde Moda dos EUA, a popularidade do verde, com nos tons contidosde Nicole Miller, reflete a preocupação com o meio ambiente. Mas a temporada não será inteiramente sombria. Michael Korsse mostrou otimista, com babados florais e listras em tons doarco-íris, e rosa choque, laranja, turqueza e azul cobaltobrilharam nas criações de Diane von Furstenberg. Tracy Reeseoptou por tons de manga, maracujá e abacaxi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.