Deserto chileno será o cenário de filme de Walter Salles

O deserto do Atacama, no Chile, deverá ser palco do próximo longa de Walter Salles. "Ele já esteve aqui, pesquisando locações e, pelo que soube, as filmagens podem começar até o final deste ano", disse o escritor chileno Hernán Rivera Letelier, autor de A Contadora de Filmes, livro que está nos próximos planos do cineasta brasileiro. A tradução para o português acaba de sair pela Cosac Naify, inclusive com uma apresentação escrita pelo próprio Walter Salles.

AE, Agência Estado

20 de abril de 2012 | 09h59

Letelier, que já aprovou uma primeira versão do roteiro, entende o fascínio do diretor pela história. "A trama mostra uma forma de resistência que muito se assemelha ao cinema de Walter", disse o escritor, falando por telefone, do interior do Chile, região onde nasceu e cresceu - ele passou boa parte de sua existência no Atacama, trabalhando como mineiro. Mesmo sem formação acadêmica, Letelier trocou as salineiras pelas letras sem abrir mão das lembranças de momentos mágicos, como as partidas de futebol, diversão que se transfigurava no próprio motivo da existência, ou as idas ao cinema.

É justamente a sétima arte que inspira A Contadora de Filmes. A trama se passa no fim dos anos 1950, quando Maria Margarita, filha caçula de uma família de mineiros, ganha fama no povoado por se transformar em exímia narradora das películas exibidas semanalmente no cinema local.

A função surgiu graças a uma paixão do pai: impossibilitado de frequentar as sessões dominicais por conta de um acidente na perna, ele promove um concurso entre os filhos para eleger o melhor contador de filmes.

Apaixonada pelas "tramas lacrimejantes dos filmes mexicanos, a saia esvoaçante de Marilyn Monroe e pelas novas aventuras de John Wayne", como Salles observa na introdução, Margarita torna-se a vencedora.

De fato, sua narrativa colorida, recheada de gestos e canções (detalhes que, muitas vezes, nem estão no original) envolve e inebria a imaginação do pai. Na verdade, de todo o povoado, pois, com o tempo, sua fama de exímia contadora começa a correr, a ponto de atrair público disposto a pagar um ingresso pela oratória da menina pobre que, graças ao cinema, consegue sonhar com vidas melhores que a sua. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaA Contadora de Histórias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.