Desejo de lembrança

Em Hoje, Tata Amaral reforça o debate sobre os 50 anos do Golpe Militar de 1964

LUIZ ZANIN ORICCHIO, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2013 | 02h10

Desejo de lembrar. De reviver o que a gente quer esquecer. Desse modo a diretora Tata Amaral define Hoje, seu novo filme, mais um entre inúmeros projetos que esmiúçam as circunstâncias e consequências do golpe militar de 1964 (leia texto abaixo).

Hoje venceu o principal festival do cinema brasileiro, o Festival de Brasília, em 2011. Apenas agora entra em cartaz. Mas não poderia ser em tempo mais oportuno. Primeiro porque há em ação no País uma Comissão da Verdade incumbida, justamente, de trazer à luz os crimes da ditadura. E, segundo, porque, desde 1º de abril entramos em contagem regressiva para o cinquentenário do golpe de 1964, período em que provavelmente haverá uma meditação intensificada sobre sua repercussão na vida dos brasileiros sob a forma de debates, livros e filmes. A hora se mostra, portanto, propícia para que Hoje funcione como uma espécie de ponto de partida para essa reflexão sobre o golpe.

A história mostrada é a de Vera (Denise Fraga), ex-militante política, que emprega o dinheiro da indenização recebido pelo "desaparecimento" do marido durante a ditadura na compra de um apartamento. O filme flagra o momento da mudança para a nova residência. O filme é baseado no romance Prova Contrária, de Fernando Bonassi, autor que forneceu material para o primeiro filme de Tata, Um Céu de Estrelas, em 1996.

Tata conta que leu o livro de Bonassi há muitos anos e ficou tocada por uma passagem. Havia um suicídio no enredo e a cineasta tivera caso semelhante em sua família. Mas além do dado pessoal, a trama se prestava muito bem à reflexão política que se faz necessária neste momento do País. Ou seja, a necessidade de trazer à luz do dia exatamente aquilo que dói, que parece inassimilável, porque é a única maneira de superar o trauma, digamos assim. "É uma verdade psicanalítica. Você só pode transformar se iluminar; se colocar para baixo do tapete, aquilo te assombra pelo resto da vida", diz a diretora.

O processo não é exatamente estranho à diretora. Em Rei do Carimã, ela exumou um fato do passado da história do próprio pai, como única forma de superá-lo. "Ao mesmo tempo, fiz Trago Comigo, no qual um diretor de teatro faz uma a peça para se lembrar", diz. Tata lembra que para este trabalho entrevistou antigos militantes políticos. Portanto, o caminho estava aberto para trabalhar o tema da memória como condição de saúde para os indivíduos e também para os países vítimas de regimes opressores.

Entre estes, o Brasil é um caso muito particular de amnésia seletiva: "Nós somos conciliadores porque foi feito um acordo espúrio. Não revelar nomes implica um custo social muito grande. Porque se tortura até hoje. Em Trago Comigo, eu tive de apagar nomes, porque os torturados sabem, os que foram presos sabem e eu tive de omitir nomes. Cortei a voz quando eles falam os nomes porque eu podia ser processada", diz a diretora.

O caminho da ficção é menos árduo. Nela, as coisas podem ser ditas, nomeadas e os fantasmas, exorcizados. Para esse trabalho tão adequado ao tempo e lugar, Tata escalou uma Denise Fraga iluminada, que vai muito além do estereótipo de excelente comediante. E um César Troncoso intimista, que conhece o valor do dito e do não-dito para que a verdade venha à tona. "Como uruguaio, estava infelizmente familiarizado com a realidade da ditadura", diz. "Na verdade, a Operação Condor funcionava melhor do que o Mercosul", acrescenta, com ironia.

Para os muito jovens: Operação Condor era uma espécie de "convênio" das ditaduras sul-americanas para perseguir presos políticos através das fronteiras. Muito eficaz, de fato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.