"Desdêmona" lança olhar sobre o universo masculino

No trabalho de pesquisa teatral, o grupo Os Primos pretendeu discutir o universo masculino e, para isso, escolheu Otelo, um dos mais importantes textos de Shakespeare. A intenção não era apenas montar a peça, mas utilizar seus elementos para alimentar uma discussão. Nasceu, assim, Desdêmona, que estréia hoje, no Teatro Augusta.Como se sabe, Desdêmona sofre uma morte trágica no texto original, mas, no espetáculo do grupo, ela vive os momentos que antecedem seu fim, revivendo sua trajetória em busca de uma explicação para tal destino. "Ela é uma espectadora do que está por acontecer sem ter o direito de intervir", comenta Gérson Steves, responsável pela dramaturgia do espetáculo. "Durante toda a peça, Desdêmona não diz uma única palavra, mas percebe que foi um joguete nas mãos dos homens."O grupo direcionou a discussão do universo masculino a partir dos arquétipos elaborados por Jung. Assim, os quatro personagens representam, cada um, um pouco dessa essência: o rei (Otelo), o mago (Iago), o guerreiro (Rodrigo) e o amante (Cássio). "São fragmentos da masculinidade, que possibilitam uma discussão sobre a relação de poder", conta Steves.Desdêmona. Recriação de Otelo, de Shakespeare. Dramaturgia Gerson Steves. Direção Fernanda Maia. Duração: 1h20. Terça e quarta-feira, às 21 horas. R$ 12,00. Teatro Augusta. Rua Augusta, 943, tel. 3151-4141. Até 26/11.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.