Desafio para internauta: terminar um conto de Saramago

Internautas de todo o mundo, especialmente aqueles que dominam a língua espanhola, estão enviando suas propostas para o final de um conto inacabado do escritor português José Saramago, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura.Em quatro dias, mais de quinhentos internautas já enviaram suas mensagens à página www.ntte.org.Um Azul para Marte é o título do conto que Saramago deixou sem final, para que os internautas experimentem escrever a quatro mãos com um Nobel. A iniciativa partiu dos organizadores do 1.º Congresso de Novas Tecnologias e Transformação do Emprego, que acontecerá de segunda a quarta-feira em Granada, sul da Espanha. Saramago foi convidado a participar do encontro, mas como não poderia desmarcar compromissos anteriormente assumidos decidiu, juntamente com os organizadores, pela criação da página na Internet. O conto é um relato em primeira pessoa de uma viagem ao planeta Marte, um lugar onde "cada marciano é responsável por todos os marcianos". Destaca ainda o narrador que "outra coisa que me agradou em Marte é que não há guerras. Nunca houve. Não sei como se arranjam e tampouco eles souberam explicar-me; quem sabe porque eu não tenha sido capaz de explicar-lhes o que é uma guerra, segundo os padrões da Terra".Quase no final dos cinco parágrafos escritos por Saramago está colocada a questão que o internauta terá que resolver. Segundo o narrador, os marcianos ficaram impressionados ao saber que há na terra sete cores fundamentais a partir das quais são elaborados milhões de tons. Em Marte, só há duas cores e suas graduações intermediárias: o branco e o preto. Porém, os marcianos sempre suspeitaram da existência de mais cores e "me asseguraram que era a única coisa que lhes faltava para ser completamente felizes". "Quando saí de Marte, ninguém veio me acompanhar à porta. Creio que, no fundo, não nos davam importância. Vêem de longe nosso planeta, mas estão muito ocupados com seus próprios assuntos. Me disseram que não pensarão em viagens espaciais até conhecerem todas as cores. É estranho, não? De minha parte, agora tenho minhas dúvidas. Poderia levar-lhes um pedaço de azul (uma porção de céu ou um pedaço de mar), mas e depois?" É certo que aqui não somos vistos por eles, e tenho a impressão de que eles não vão gostar disto".É neste ponto que Saramago deixa o texto que deverá ser completado pelos internautas. O site só não deixa claro quando será eleito o final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.